Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bloco de Esquerda – Um partido transgénico.

por Tomás Vasques, em 21.08.07


O Bloco de Esquerda é um partido comunista, radical, de extrema-esquerda, «geneticamente modificado» pelos seus dirigentes, a fim de enganar os incautos e crescer num meio adverso, pejado de «insectos» e «vírus»: a «democracia burguesa» - a ordem, sobretudo económica e jurídica, imposta pelo capitalismo à classe operária e a todos os trabalhadores.
O PCP tem o mérito de ser geneticamente puro. Assume às claras para onde quer ir. Segue o pensamento de Marx, Engels, Lenine, Staline e Cunhal e tem um modelo de «sociedade socialista» – já praticado nas Repúblicas Soviéticas – para onde nos quer levar: o partido único, o Estado detentor de todos os meios de produção, a lei e a ordem da «classe operária». O PCP não esconde esse propósito. A próxima Festa do Avante é uma homenagem à Revolução Soviética de 1917.
Ao invés, o Bloco de Esquerda, ala radical do Partido Comunista, é um transgénico. Depois de anos e anos a lutarem em vão por um lugar no Parlamento, assumindo-se como comunistas radicais (quer de tendência trotskista – o PSR, quer maoista – o PC(R)/UDP)) ou a escola dos velhos comunistas – a Política XXI, decidiram modificar o seu código genético para aparecerem todos juntos como «socialistas de esquerda». Mas, grosso modo, na antecâmara, mantêm viva a sua natureza ideológica. Uma parte – o PSR – ainda edita a revista O Combate, é membro da IV Internacional Comunista e organiza-se na associação política socialista revolucionária. Outra parte, mantem-se fiel às suas origens através da associação UDP que edita a revista A Comuna. A terceira parte – os ex-militantes do velho PCP – organizam-se no Fórum Manifesto e editam a revista Manifesto. (A Secção Portuguesa da Liga Internacional dos Trabalhadors - Quarta Internacional , Ruptura/FER, também mexe).
Com esta «modificação genética», escondendo que tipo de sociedade quer instaurar (no fundo, mais do mesmo: o partido único, o Estado detentor de todos os meios de produção, a lei e a ordem da «classe operária»), o Bloco, ainda sonha com os amanhãs que cantam: «A estratégia do BE é destruir o actual mapa político português para polarizar um campo novo que lute pelo socialismo (…) Podemos e queremos ter a maioria. As grandes ideias da política socialista que defendemos concretizam-se em programas de governo. Quando tivermos a responsabilidade de uma maioria de mudança estaremos prontos a assumi-la por inteiro.» (Francisco Louçã em entrevista ao DN).
Mas o actual estado transgénico do Bloco não vai durar eternamente. Mais cedo ou mais tarde (mais 4 ou 5 desastres eleitorais) a modificação genética solidifica-se e, então, abraçam as «migalhas do poder» com o entusiasmo de quem tem um brinquedo novo ou voltam ao seu estado natural, assumindo o verdadeiro código genético. Neste momento, há sinais para ambos os lados: o «acordo» de Lisboa e a acção «ambientalista», em Silves, são os dois exemplos mais evidentes, mas a discussão interna «fugir do poder ou fugir das responsabilidades» não é de desprezar.
Estamos cá para ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:54




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.