Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Tomás Vasques, em 25.09.06
Sair o tiro pela culatra.



Meu caro Pedro: ando a insistir neste assunto há algum tempo. (aliás, fico incomodado, sinceramente, quando vejo que as mais acutilantes críticas à actuação do Presidente, sobretudo ao nível da blogosfera, provêm de alguns dos seus mais acérrimos apoiantes durante a campanha eleitoral - um exemplo patético é JCS que foi ao ponto de esconder o seu passado não permitindo o acesso ao que aí foi publicado nos meses anteriores.) No entanto, eu sou mais comezinho na análise das motivações de Cavaco Silva: primeiro, Cavaco sabe que, no essencial, José Sócrates está a fazer o que é necessário na situação em que Portugal se encontra. Mais: Sócrates está a fazer aquilo que Cavaco faria se estivesse no seu lugar (hoje, com a experiência que tem de quando foi primeiro-ministro e dos erros que cometeu, de que o exemplo mais actual foi o regime de carreiras e remunerações da Função Pública que Eduardo Pitta hoje desmontou). Daí o apoio por acção ou omissão ao Governo; segundo, Cavaco não acredita nos méritos governativos da actual direcção do PSD e teme, por experiência própria, a ganância do aparelho do seu partido; terceiro, Cavaco não quer ficar na história como o primeiro Presidente a não conseguir ser eleito para um segundo mandato (aliás, sabe como o confronto “esquerda/direita” é complicado nas presidenciais) e, por isso, este primeiro mandato joga em dois tabuleiros – obter o apoio do PS (como Mário Soares obteve o apoio do PSD em 1991) ou, caso falhe esta hipótese, ter assegurado apoio informal no eleitoral socialista que permita a reeleição sem sobressaltos. As “interpretações dos poderes constitucionais”, com todo o respeito, ajustam-se sempre às circunstâncias. Teremos oportunidade de ver como serão outras essas interpretações constitucionais num segundo mandato. Quanto ao ódio que Cavaco nutre por certa direita estamos de acordo. É uma questão psicológica, mas sobretudo de origem de classe. O que é facto, após seis meses de mandato presidencial, é que a direita que queria ver Cavaco como seu ponta de lança já percebeu que lhe saiu o tiro pela culatra: o Presidente da direita está, no essencial, de acordo como o governo do PS. Ainda bem para o país!
(PS: Escrevo sobre este assunto com a tranquilidade de quem apoiou e votou em Mário Soares - tal como o fiz desde Abril de 1975).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:03




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.