Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os amanhãs que cantam...

por Tomás Vasques, em 30.08.11

O blogue Albergue Espanhol, alcançou os objectivos porque se esforçou desde o seu aparecimento. Uma vez alcançada uma sociedade mais «justa», numa noite eleitoral, encerrou as portas. Faz sentido. É coerente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:29

Futebóis ....

por Tomás Vasques, em 30.08.11

Quando, nesta altura do campeonato, o Governo nomeia 3 – três – grupos de trabalho para «avaliar o futebol», temo o sempre adiado  anúncio das medidas destinadas a emagrecer as despesas do Estado. É preciso que fique claro que reduzir subsídios de desemprego, prestações sociais, pensões de reforma, cuidados de saúde, por exemplo, não caem na rubrica do emagrecimento do Estado, mas na estafada exigência de mais sacrifícios aos portugueses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:07

Leituras.

por Tomás Vasques, em 30.08.11

 

 

Portugal à Coronhada, de Diego Palácios Cerezales (Tinta da China, Junho de 2011), é a história do uso da força por parte do Estado nos conflitos colectivos portugueses, desde a vitória liberal de 1834 até à consolidação da democracia, em finais do século XX. A nossa história, no período considerado, está repleta de protestos e rebeliões populares, algumas assumindo formas bastante violentas, seja contra a proibição de enterrar os mortos nas igrejas, seja contra a carestia de vida, o saque fiscal ou a repressão. Desde a Maria da Fonte aos motins do pão… aconteceu de tudo. O que desmente o deputado Rodrigo Meneses, quando declarava na Câmara dos Deputados, em 1854:

 - Não há desordens! Não há porque este país é manso, é quietíssimo, ninguém quer fazer mal algum.

A mansidão tem limites, como demonstra a nossa história.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39

Ou há moralidade ou comem todos...

por Tomás Vasques, em 30.08.11

Na semana passada irrompeu em força o debate sobre a aplicação de impostos extra sobre as "grandes fortunas" de modo a equilibrar o esforço que está a ser exigido só a alguns. Recapitulemos a matéria dada: o primeiro acto do governo de Passos Coelho, no dia da apresentação do programa de governo, foi o anúncio do imposto extraordinário sobre o subsídio de Natal, o qual incide principalmente sobre os rendimentos do trabalho. Deixou de fora, pelo menos, os rendimentos de capital e lucros de empresas, evidenciando uma flagrante injustiça na distribuição dos sacrifícios exigidos aos portugueses. Quando a imprensa portuguesa fez eco de um artigo, publicado no New York Times, do multimilionário americano Warren Buffet, pedindo ao seu governo mais impostos sobre as grandes fortunas, apelo repetido dias depois por 16 multimilionários franceses, mais claro se tornou como era injusta a opção do governo de Passos Coelho. O dislate de Américo Amorim, o homem mais rico do país, que interrogado sobre a questão, declarou que não era rico, mas apenas um trabalhador, veio atiçar o debate. Estalou-lhe o verniz, mas teve o mérito de provocar a discussão. O Presidente da República, num primeiro momento, deixou que circulasse a sua simpatia por um imposto extra sobre os maiores rendimentos, lembrando que, numa entrevista à Rádio Renascença, durante a campanha eleitoral, afirmara que "os sacrifícios exigidos nos últimos tempos não se dirigem a todos os portugueses". Por sua vez, o governo, procurando emendar a mão, veio também participar no debate. Consta que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças passaram este fim-de-semana reunidos à volta da fórmula para taxar os "rendimentos e os patrimónios" mais elevados. Os partidos da oposição, PS, PCP e BE, apresentaram ou vão apresentar no parlamento propostas sobre o assunto.

 

(ler mais no i)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.