Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A verdade e o azeite.

por Tomás Vasques, em 11.07.11

Hoje a Bolsa de Lisboa perdeu mais de 4%, enquanto os juros da dívida bateram recordes em todos os prazos. Há meia de dúzia de meses tinham um culpado interno para o comportamento dos mercadores e da bolsa e de tudo o mais. Hoje, quem é o culpado? Não há culpados internos? É a situação externa? Talvez a Grécia. E há 6 meses não era? Perguntar não ofende, mas é só por uma questão de honestidade intelectual.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

À beira de um ataque de nervos

por Tomás Vasques, em 11.07.11

Por mais que o tema tenha sido comentado, não há maneira de fugir à desgraça que nos caiu em cima. A notícia que recebemos, com o desprazer próprio de quem não a esperava, de que a nossa capacidade de pagar o que devemos foi atirada para o lixo, como se fôssemos uma rodilha, gasta e ensebada, provocou uma estranha comoção nacional. E logo a nós, portugueses, herdeiros da gesta que cruzou mares desconhecidos e galgou terras sem fim, cumprindo um desígnio universalista, num tempo em que, é preciso dizê-lo, os antepassados de alguns senhores da Moody''s se amontoavam nas prisões de Londres por terem assassinado pai e mãe e por outros crimes do género. A comoção nacional a todos tocou, e não era para menos. Desde o canalizador do meu bairro até ao senhor Presidente da República. Este, homem sisudo e de parcas palavras, que se manteve em silêncio sepulcral na iminência de uma crise política, em Março, a qual acelerou vertiginosamente o aumento dos juros dos agiotas protegidos dessas agências e dificultou o acesso ao crédito de que precisamos como pão para a boca, desatou finalmente a língua contra as agências de notação. Envoltos na espuma dos dias, já nem sequer nos lembramos que, em Março, os juros dos empréstimos a três anos estavam nos 6% e hoje estão nos 19%. Como, também, não nos interessa lembrar que uma outra dessas agências de notação nos desclassificou cinco níveis, em Abril passado, empurrando-nos, então, perigosamente para o que eles classificam como lixo. Nessa altura, ninguém tugiu nem mugiu, como se isso se encaixasse num plano de descrédito do anterior primeiro-ministro.

 

(ler mais aqui).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:40



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.