Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quem não sabe ler, vê os bonecos!

por Tomás Vasques, em 03.11.10

 

 

O mais polémico e mais discutido Orçamento do Estado das últimas três décadas foi hoje aprovado, na generalidade, pela Assembleia da República. Alguns deputados do PSD disseram do documento cobras e lagartos, como se não tivessem dado o seu acordo. Para se perceber melhor o exorcismo a que se dedicaram os deputados do PSD deve-se ler um texto publicado no Jornal de Negócios, Afinal, quem aumentou a despesa pública?, da autoria de Manuel Caldeira Cabral. Os números não enganam e aí se pode ler: «Nos últimos 30 anos, a despesa pública aumentou de 29% para 45% do PIB. Um aumento do peso do Estado na economia de 16,3 pontos percentuais, dos quais 12,1 p.p. (75%) aconteceram em governos liderados pelo PSD e apenas 4,2 em governos PS.» E, mais à frente, acrescenta: «Observa-se que os três períodos com maiores contributos para o aumento do peso da despesa pública no PIB foram os da Aliança Democrática (+4,4), os governos de Cavaco Silva (+4,3) e os governos PSD-CDS (+3,4).» E ainda por cima acompanha o texto com um gráfico, como a dizer: quem não sabe ler, vê os bonecos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:42

Livros.

por Tomás Vasques, em 01.11.10

 

 

Está nas livrarias um novo livro de Roberto Bolaño: A literatura nazi nas Américas (Quetzal), onde se entrecruzam estética e ética; literatura e política (ou talvez ideologia), através de uma enciclopédia ficcional composta por curtas biografias de autores imaginários. O autor de 2666, conhecedor da grandeza e das misérias da literatura latino-americana, vai deixando em cada biografado várias portas abertas para a realidade. Por exemplo, um dos retratados, Amado Couto, (Juiz de Fora, Brasil, 1948- Paris, 1989) está intimamente relacionado com Rubem Fonseca (também nascido em Juiz de Fora), não só pela atracção do autor ficcionado pelo escritor brasileiro, mas pelo próprio nome escolhido por Bolaño: Amado Couto. Couto (Golbery do Couto e Silva) foi o nome general que criou e dirigiu o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (onde Rubem Fonseca foi director), centro nevrálgico, operacional e estratégico, do golpe militar de 1964 no Brasil. A literatura nazi nas Américas é, sobretudo, um exercício mordaz a que Bolaño chamou  «grotesco literário»  no romance Estrela Distante (Teorema), onde desenvolve a história do último biografado, Ramirez Hoffman.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Pág. 3/3




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.