Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Leio declarações de António Martins, presidente Associação Sindical dos Juízes, e Ana Avoila, coordenadora dos Sindicatos da Função Pública, como se fossem operários da construção civil. Estonteado corro para a estante para reler o relatório de Karl Marx, apresentado em 1865, na Associação Internacional dos Trabalhadores, intitulado Salário, Preço e Lucro. Como Marx se ia divertir se os ouvisse. E lhes explicaria que eles vivem dos excedentes gerados pela produção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07

Eleições em Janeiro?

por Tomás Vasques, em 19.10.10

 

O Diário Económico titula em primeira página «Pedro Passos Coelho quer antecipar eleições». A tese é simples: o líder do PSD vai pedir ao Conselho nacional luz verde para negociar o Orçamento com o PS. Caso não haja acordo, quer eleições antecipadas para o início de 2011. Só que este seu querer passa por uma revisão constitucional. Quando e com quem obtém o PSD os dois terços dos deputados? Nada é dito. Provavelmente, esta tese não passa pela cabeça de Passos Coelho, mas estas notícias vão colando ao líder social-democrata, sobretudo depois das trapalhadas da proposta de revisão constitucional, a imagem de inconsequente e de nunca saber bem o que quer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:45

O Orçamento do nosso descontentamento.

por Tomás Vasques, em 19.10.10

O Orçamento do Estado que vai ser votado, a 29 de Outubro, no Parlamento, é mau. Todos os portugueses sabem isso, porque todos (ou quase todos) vão sofrer as consequências. Vai provocar uma significativa contracção do consumo e do investimento e provocar recessão? É natural; podia ser mais contido na procura de receitas e mais ousado na diminuição da despesa? É provável; tem incongruências, como a aplicação da taxa do IVA a 23% ao leite com chocolate e a taxa de 13% ao vinho? É evidente; vai provocar protestos sociais, nomeadamente nos segmentos mais protegidos e com maior capacidade sindical, como os juízes e os funcionários públicos? É inevitável; é possível reduzir o deficit orçamental para 4,6 %, em 2011, de maneira substancialmente diferente? Duvido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:14



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.