Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O PCP apresentou uma moção de censura ao governo, a qual vai ser discutida no Parlamento sexta-feira, perante a indiferença do país. A decisão do Comité Central dos comunistas tem três objectivos. Um: enquadrar politicamente a manifestação dos funcionários públicos, marcada para 29 deste mês, e outras contestações sociais que eventualmente possam surgir; dois: marcar a «agenda» política da oposição, retirando iniciativa e margem de manobra ao BE; três: «demonstrar» que o governo socialista não cai porque é sustentado pela «direita», ou seja, sublinhar que «são precisos dois para dançar o tango». A apresentação desta moção de censura não vai dar mais um voto ao PCP, antes pelo contrário. Lembremo-nos que o resultado das grandes manifestações dos professores e da função pública, conduzidas pelo PCP, levaram os comunistas a partido com menos deputados na Assembleia da República. O PCP é um partido que vegeta num limbo: nem é um corpo de «revolucionários profissionais», à moda leninista, preparados para a tomada do poder por meios violentos, nem um partido «reformista» que usa a sua expressão eleitoral para chegar ao poder, por via democrática, e alterar as condições de vida e de bem estar dos cidadãos. O PCP é um partido que se conformou com uma estratégia defensiva, parlamentar, a mendigar uns votos e uns deputados, mesmo quando o «imperialismo, estado supremo do capitalismo» atravessa uma das maiores crises de sempre. A derrota em 25 de Novembro de 1975 e a queda do muro de Berlim desmoralizaram-nos totalmente. O «mundo socialista» em que se revêem, a começar na Coreia do Norte e a acabar em Cuba, deram-lhe a estocada final.  

 

No Aparelho de Estado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Good bye Lenine.

por Tomás Vasques, em 18.05.10

 

 

O deputado José Pacheco Pereira, botando palavra na Comissão Parlamentar de Inquérito, falou sobre o morto (o jornal de sexta de Moura Guedes), a bala, a pólvora nas mãos de alguém e a pistola que ele acredita saber quem disparou. Pacheco Pereira ainda quer, hoje, demonstrar que tinha razão na tese da «asfixia democrática». Puro egocentrismo. E pior: ainda não deu conta que em Portugal (e na Europa) mudou o centro das preocupações, que ninguém liga patavina às «investigações» daquela comissão e, finalmente, não percebeu que Manuela Ferreira Leite já não é dirigente do PSD.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:13



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.