Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fórmulas antigas com novas roupagens.

por Tomás Vasques, em 17.02.10

A falta de memória (mesmo para quem não viveu, mas que sabe ler) é uma coisa que me deixa perplexo. Joana Amaral Dias escreve: «Hoje, ou se condena a actuação de Sócrates ou se é cúmplice Esta fórmula é tão antiga como o Estado Novo, pelo menos. Frases destas faziam parte do quotidiano da propaganda salazarista para rotular de comunistas todos os opositores ao regime: católicos progressistas, liberais, sociais-democratas e por aí fora. E ainda fica a pergunta: cúmplice com o quê, minha senhora? Joana Amaral Dias quer mandar prender, por «cumplicidade», todos os portugueses que elegeram Sócrates? Haja decoro!   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:40

Boas notícias.

por Tomás Vasques, em 17.02.10

Rui Pedro Soares, administrador da PT, nomeado pelo Estado, renunciou ao cargo.

O F C Porto ganhou ao Arsenal, no Dragão, por 2-1.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:49

Presidenciais 2011 (3)

por Tomás Vasques, em 17.02.10

 

Fernando Nobre, médico, fundador e líder da Assistência Médica Internacional, vai apresentar a sua candidatura à Presidência da República, sexta-feira, às 20 horas, no Padrão dos Descobrimentos. Fernando Nobre não é um homem «de partido», apesar de acompanhar a vida política: em 2002, participou na Convenção do PSD, foi membro da Comissão de Honra e da Comissão Política da candidatura de Mário Soares à Presidência da República, em 2006, foi mandatário nacional da campanha do Bloco de Esquerda, nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, em Junho de 2009 e, ainda em 2009, foi membro da Comissão de Honra da candidatura de António d’Orey Capucho à presidência da Autarquia de Cascais. Esta candidatura, a primeira a ser oficialmente apresentada, é um forte indício da vitalidade da democracia portuguesa e vem ampliar o leque de opções dos eleitores.

 

 

 

Adenda:

«Resolvi assumir um compromisso com o meu país, Portugal. Serei candidato independente, apartidário e em nome da cidadania, a Presidente da República, nas próximas eleições de 2011.

Esta é uma decisão estritamente pessoal, enquanto cidadão que sou. Muito tenho escrito e dito sobre o dever de todos nós exercermos a nossa cidadania de uma forma activa e corajosa. Sinto que o País atravessa um período em que constantemente se põem em causa os valores e as pessoas, as promessas e os projectos. E sei a gravidade que essa atitude generalizada tem no futuro de todos nós. Acredito em Portugal! Acredito nos portugueses e nas suas capacidades. Somos, no mínimo, tão bons como qualquer outro povo do Mundo. E é isso que pretendo provar, candidatando-me a um lugar no qual penso poder fazer a diferença e dar o exemplo.»

 

Fernando Nobre, no seu blogue.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:56

Chamar os bois pelos nomes (2).

por Tomás Vasques, em 17.02.10

Consta que Oliveira Salazar recebia no seu gabinete de trabalho, em S. Bento, Silva Pais, o director da Pide, com quem despachava directamente os «assuntos de Estado» da competência da polícia política. A conversa entre os dois, em certas ocasiões, é fácil de adivinhar. Silva Pais, risonho e triunfante (já esquecido aquele soberbo raspanete dado pelo velho ditador de Santa Comba Dão a propósito dos devaneios amorosos de sua filha, amante de generais cubanos) informava sobre a recente prisão de não sei quantos comunistas e o desmantelamento de células inteiras. Salazar, parco em palavras e entusiasmos, deixava descair, nariz abaixo, os óculos e perguntava, objectivo: e como o senhor conseguiu tal sucesso? Introduzimos um agente qualificado, a quem demos um curso de marxismo,  numa célula na margem sul do Tejo, respondia o director da Pide, com os olhos a brilhar de contentamento. Salazar, ajeitava a manta sobre os joelhos, e dizia, num tom seco e com voz de falsete: admiro a coragem desse homem em explicar-nos como funciona a “rede tentacular” dos comunistas. De seguida, agradecia a Silva Pais o seu «engenho e arte» ao serviço da Nação e despedia-se do homem à distância. Hoje, o vale tudo reinante, tem a ver com a perda da memória do passado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Chamar os bois pelos nomes.

por Tomás Vasques, em 17.02.10

 

Os Pides morrem na rua. Há muitos anos que não me lembrava desta frase-palavra de ordem saída da boca da maralha que ocupou o centro de Lisboa, do Rossio ao Chiado, do Martim Moniz ao Terreiro do Paço, a partir da manhã de 25 de Abril de 1974. Na boca de um povo pacífico, que ornamentou os canos das espingardas com cravos, a frase a pedir o linchamento dos «pides» significava, sobretudo, a profunda e sentida aversão à polícia política do regime deposto e aos seus «métodos de actuação». Estava ainda, por esses dias, fresca a memória dos tempos da Direita autoritária, fascista; os tempos de repressão e de prisões por delito de opinião, de torturas e assassinatos; os tempos da polícia política – a PIDE. Esta, entre outros métodos, procurava infiltrar agentes seus (ou bufos), disfarçados de «oposicionistas», no interior de organizações anti-fascistas. Era um dos modos de conhecer o que aí se fazia, o que aí se dizia, e os documentos políticos que por aí circulavam. Quando obtinham a informação, iam entregá-la à rua António Maria Cardoso, e desapareciam. Ficavam de novo disponíveis para dar vivas a Salazar. Esta era gente execrável. Energúmenos sem migalha de carácter. Vómitos produzidos por uma sub-cultura política. Hoje, estão a ser recuperados muitos destes métodos antigos mercê do aparecimento de muitos destes energúmenos que encontram albergue em jornais e nalguns círculos de uma Direita revanchista, caceteira. Podia dizer que me lembrei da frase os Pides morrem na rua a propósito de uma peça no Correio da Manhã, de hoje, que envolve o Simplex, blogue em que colaborei. Mas não foi só por isso.

 

 

 

 

Adenda: sobre o mesmo assunto:

Escândalo: o governo faz política, por Pedro Adão e Silva, no Léxico Familiar.

 A Central, por Eduardo Pitta, no Da Literatura.

A ética do bufo, por Rogério da Costa Pereira, no Jugular.

Do 37º e 38º, por André Couto, no Delito de Opinião.

 Os ratos, por Tiago Barbosa Ribeiro, no Metapolítica.

Dos métodos totalitários de propaganda, por Sofia Loureiro dos Santos, no Defender o Quadrado.

A espuma dos dias, por Vasco M. Barreto, no Aparelho de Estado.

Da ética, por Luís Novaes Tito, no A barbearia do senhor Luís

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:28

Citações.

por Tomás Vasques, em 17.02.10

 

«Como pode o Governo sair-se desta confusão, e como pode o PS ressarcir-se das amolgadelas que tem sofrido com insistente crueldade? Chega a ser uma falta de compaixão as sovas monumentais que ambos apanham, sem tréguas nem sossego. A situação política portuguesa é pouco decorosa. Sócrates não sai por ego, orgulho e vaidade, igualmente incomensuráveis. Mas também tem os votos a seu favor. A última sondagem, há poucos dias, é-lhe expressamente favorável. Ninguém se atreve a correr com ele, na situação em que a pátria se encontra. Quando Capoulas Santos e António Costa, lisos, formais e lacónicos, colocaram a questão singela "Porque não apresentam uma moção de confiança?", toda a oposição gelou de cobardia

Baptista-Bastos, DN, 17.02.10.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:11



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.