Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Treinador de sofá.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

Uma mão de Thierry Henry colocou escandalosamente a França no Mundial de futebol; Carlos Queiroz não pode voltar ao jornal de sexta-feira, na TVI, onde Manuela Moura Guedes o tratou como um mentecapto; há um papagaio de nome Santos a debitar patetices sobre futebol na SICN; avisem o Mário Nogueira que não deve convocar manifestações de professores em Junho e Julho do próximo ano; a Eslovénia – aquela pequena República Jugoslava – afundou a Rússia de Putin e companhia; a unidade nacional na Bósnia-Herzegovina ficou por um fio; a Africa do Sul segue dentro de momentos. Só mais um pormenor: 14 galerias de arte de Barcelona juntaram-se numa mostra simultânea de arte contemporânea sobre futebol.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:14

António Aleixo.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

António Aleixo.

 

Fez anteontem 60 anos que morreu António Aleixo, o mais conhecido poeta popular algarvio. Homem pobre, nobre e de uma grande sabedoria. Aqui ficam 5 quadras em sua memória.

 

Tu, que tanto prometeste

Enquanto nada podias,

Hoje que podes – esqueceste

Tudo quanto prometias…

 

Os que bons conselhos dão

Às vezes fazem-me rir,

- Por ver que eles próprios são

Incapazes de os seguir.

 

P'ra a mentira ser segura

e atingir profundidade,

tem de trazer à mistura

qualquer coisa de verdade.


Que importa perder a vida

em luta contra a traição,

se a razão, mesmo vencida

não deixa de ser Razão.


Embora os meus olhos sejam

os mais pequenos do Mundo,

o que importa é que eles vejam

o que os homens são no fundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:34

Post-it.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

 

 

Consta que o post-it resultou de uma cola falhada. No entanto, não deixou de ser um sucesso comercial numa outra aplicação. Dizem os jornais que vai aparecer no mercado, em 2011, um novo post-it: um Viagra para mulheres. Os responsáveis farmacêuticos garantem que o «fármaco começou por ser um anti-depressivo falhado, mas consegue aumentar o desejo sexual das mulheres.» Confirma-se a Lei de Lavoisier. «Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.» Espero que o novo Viagra resulte como o post-it resultou porque a vida sem post-it deve ser uma grande seca.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19

Cenas do quotidiano.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

Há meia dúzia de dia estava sentado numa esplanada, na Praça das Flores, entre amigos, quando o empregado depositou na mesa uma torrada. Eu disse-lhe: «aqui ninguém pediu uma torrada». Nesse preciso momento, ouvi uma voz (de um conhecido militante do BE, sentado na mesa atrás de mim e que tinha pedido a torrada): «Os socialistas querem ficar com tudo».

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44

Agenda cultural.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

 

 

A 9ª edição da ARTE LISBOA, a Feira de Arte Contemporânea portuguesa, realiza-se entre os dias 18 e 23 de Novembro, no Pavilhão 4 do recinto da FIL, no Parque das Nações, em Lisboa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:15

Francisco Louçã, uma biografia.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

 

António Simões do Paço (1957), historiador e autor da biografia de Salazar, é o autor de Francisco Louçã, Biografia (Bertrand Editora, 2009). A obra agora editada é uma biografia de Louçã e, ao mesmo tempo, a história do trotskismo em Portugal. Nem podia ser de outra maneira: o biografado carrega aos ombros a história do trotskismo nos últimos 40 anos – uma história com algum sucesso, ao contrário de outros derivados do movimento comunista internacional.

No que se refere às notas pessoais (era dispensável a transcrição das duas redacções, uma delas sobre os elefantes, escritas aos 9 anos) Francisco Louçã é apresentado como um homem inteligente, estudioso, disciplinado, trabalhador (até carregou uma dúzia de tijolos para a construção de uma capela na adolescência, conferindo-lhe um estatuto «proletário), ligado à Igreja, apesar de não ser católico, o que lhe valeu um dia de prisão, aos 16 anos, na sequência da vigília pela Paz na Capela do Rato, em Dezembro 1972. Viajou na década de 80 pela América Latina (enquanto responsável da IV Internacional naquele continente), onde aprendeu muito, politicamente falando, gosta de comer bem, sabe fazer um delicioso bacalhau espiritual e fez crítica de cinema, numa parceria com Paulo Portas. Bem espremido, muito pouco, a não ser a exagerada vaidade do «bom aluno». Transcrevo: «Era muito racional e metódico, não faltava a uma aula, chegava sempre a horas, lia imenso, apontava tudo, elaborava fichas… Fazia sempre o que era preciso fazer e nunca se alterava» – dizem, em seu abono os colegas de Liceu (ou em desabono, segundo outros: chegaram a oferecer-lhe 20 escudos se dissesse «merda» em voz alta e ele recusou). Não há uma traquinice, uma namorada, um palavrão. Apenas se exaltam, neste período liceal, as amizades com os padres, seus professores, e que «o melhor da classe é do contra»..

O resto – que é quase toda a biografia –, desde o Liceu até hoje, é a fusão da vida do dirigente do BE com a história do trotskismo, a tendência mais «desamparada» do movimento comunista internacional. Na década de 60, a invasão da Checoslováquia pelos soviéticos, a guerra do Vietname (e, também, a «nossa» guerra colonial) e a cisão provocada no movimento comunista internacional pelo partido comunista chinês, fertilizou o terreno onde se desenvolveram grandes discussões ideológicas sobre o «futuro do socialismo» que se traduziram na proliferação de «grupos» e «grupitos» das mais variadas matizes ideológicas. Pelas amizades e pelas leituras, Francisco Louçã acabou por se ligar à fundação, em 1973, da LCI, a secção portuguesa da Internacional trotskista, ascendendo à Direcção em princípios de 1974. Depois do 25 de Abril e até Novembro de 1975, Louçã e a LCI trabalharam objectivamente (em nome do «poder popular») para ajudar o PCP a tomar o poder. Aderem à FUP, uma frente controlada pelo PCP, que apoia o «poder popular» e o V Governo, chefiado por Vasco Gonçalves. O empenho foi tanto que, mais tarde, a LCI «reconhece» que tinha «uma concepção incorrecta e extremamente perigosa sobre a social-democracia, identificando-a como irmã gémea do fascismo

 

(Continua)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:11

Até o leão se vai embora.

por Tomás Vasques, em 18.11.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:40



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.