Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Desespero ou distracção?

por Tomás Vasques, em 14.09.09

Tiago Moreira Ramalho quis fazer um «brilharete», isolando um parágrafo do contexto (a propósito da apropriação dos meios de produção pelo Estado e a consequente «ditadura do proletariado»), demonstrando que conhece pouco da história do movimento operário e socialista dos últimos 150 anos. Raciocina na base de «chavões». É pena. De qualquer modo, a experiência histórica demonstra que a frase citada é verdadeira (ver por todas a experiência soviética), mas a ilação daí retirada é que é de banda desenhada. Além do mais confunde intervenção do Estado na economia (nacionalizações dos sectores estratégicos da economia, «desprivatização» como alguns agora gostam de dizer) com políticas sociais e redistribuição da riqueza produzida, coisas que Manuela Ferreira Leite rasgava, mas agora já não rasga. O Tiago podia bem dispensar «brilharetes» primários, ainda por cima apoiando, nestas eleições, o «partido social democrata», nome do partido de Vladimir Ilitch Ulianov, mais conhecido por Lenine.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

Portugal e o Futuro?

por Tomás Vasques, em 14.09.09

 

 

 

 

 

Já aqui escrevi que Francisco Louçã é o BE. Tal conclusão não é depreciativa, antes pelo contrário. Dos dirigentes dos grupos de extrema-esquerda que deram origem ao Bloco, nomeadamente Fazenda e Portas, Louçã era o único que sabia o que queria e para onde ia. Era o único que, desde jovem, desenvolveu uma atitude critica, enquanto marxista, à «construção do socialismo» na URSS e, também, na China e na Albânia (Fazenda e Portas foram acríticos estalinistas até muito tarde). Em todos os anos na LCI e no PSR (e bebendo alguns desenvolvimentos teóricos e doutrinários da IV Internacional), Francisco Louçã alimentou-se mais de Marx do que de Lenine, ao invés dos seus companheiros de partido (e, obviamente, do PCP). Isso permitiu-lhe, manter-se fiel a Marx (a apropriação dos meios de produção) e, aparentemente, desenvolver uma «divergência» com o leninismo numa questão importante: a ditadura do proletariado. Louçã já aflorou, mais do que uma vez, a ideia de que é possível construir o socialismo, na acepção marxista-leninista do termo, sem ser num regime de partido único. A Venezuela é um bom laboratório de como Francisco Louçã está enganado ou nos quer enganar. Quando o Estado detiver os principais meios de produção (em nome da classe operária, dos trabalhadores, das massas populares, dos pobres e desempregados, do que quiserem), quem controlar o Estado controla tudo: faz da democracia e da liberdade a «democracia» e a «liberdade» de quem controlar o Estado (o partido que controlar o Estado). Cunhal em 1975 retirou a ditadura do proletariado do programa do PCP para não assustar as «massas populares», mas não tinha outro modo de construir o «socialismo» senão através da «ditadura do proletariado», ou seja, a ditadura do partido comunista, enquanto «representante» do «proletariado». Louçã também sabe que é assim, tal como alguns dos seus eleitores que se armam em «românticos».  Não há saída: quanto mais o Estado intervier na economia, mais pobreza e mais porrada no lombo de quem trabalha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34

TGV. Memória futura.

por Tomás Vasques, em 14.09.09

 

 

 

A actual presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, fez parte de um governo que, em 2003, falava do TGV como se fosse a cura para todos os nossos males, incluindo no programa quatro ligações a Espanha:

 

«Parece que havia quem quisesse fazer uma ligação por terra à Europa que não passasse por Espanha, mas não apresentaram soluções concretas nesse sentido", gracejou Barroso.

Segundo acrescentou, (o TGV) dará ainda "um contributo determinante para a sustentabilidade ambiental do sistema de transportes, através da enorme redução dos custos ambientais, e para o combate à sinistralidade rodoviária".»

 

Agora é radicalmente contra. Nem uma única ligação por TGV a Espanha. É uma mudança de opinião muito repentina e muito profunda, mas não é por aí que o gato vai às filhoses. A minha questão é a seguinte: admitindo que o PSD ganha as eleições legislativas, no caso de Manuela Ferreira Leite se decidir pelo TGV até Badajoz um ano após a tomada de posse, esta decisão cabe na categoria de fraude eleitoral com direito à dissolução da Assembleia da República ou é um mero acto de gestão do governo «à luz das condições objectivas no momento»? A credibilidade da democracia, dos políticos e da política não vai aguentar tanta pirueta.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30

Livros e leituras.

por Tomás Vasques, em 14.09.09

 

 

Leituras em tempos de crise: Mário Soares escreve sobre o Elogia da Política (Sextante Editora, Setembro de 2009). Eduardo Dâmaso, Director-adjunto do Correio de Manhã conversa com Medina Carreira, ex-ministro das Finanças, obre o tempo das mudanças inadiáveis. O resultado foi editado pela Objectiva (Setembro de 2009): Portugal que Futuro?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55

Exposição 15X15 The World in a Box.

por Tomás Vasques, em 14.09.09

 

Exposição  The World in a Box, de Luis Beato, na galeria Palpura (Rua Alberto Vilaverde Cabral, Restelo). De 26 de Setembro a 10 de Outubro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:16

Diz-me com quem andas…

por Tomás Vasques, em 14.09.09


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.