Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| Um Encontro.

por Tomás Vasques, em 26.07.09

José Sócrates disponibilizou-se para participar, amanhã, dia 27 de Julho, pelas 17.30, numa blogo-conferência aberta aos social media e à comunicação social que decorrerá em Lisboa com provável transmissão em directo via Sapo. (…) cada um dos participantes terá direito a uma pergunta ao secretário-geral do PS e primeiro-ministro. Não posso deixar - até porque serei dos mais insuspeitos bloggers participantes - de elogiar a iniciativa e, naturalmente, Sócrates já que, como escreveu o Paulo Querido no mail que me enviou, «é um dos principais candidatos a aceitar expor-se num ambiente não filtrado e com maus exemplos no passado, reconhecendo que esse ambiente merece a atenção.»

 

João Gonçalves (Portugal dos Pequeninos)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36

||| Disponibilidades.

por Tomás Vasques, em 26.07.09

Se Pacheco Pereira viesse dizer que o PS o tinha convidado para a lista de deputados, ninguém acreditava. Como foi Joana Amaral Dias a dizer há quem acredite. E porquê? Porque só é susceptível de ser convidado quem transmite a outros a percepção de estar disponível para aceitar. É essa disponibilidade que lança a dúvida sobre o suposto convite. Como complemento, não se deve descartar a «manobra de pressão» sobre Louçã para integrar as listas do BE.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

||| Citações.

por Tomás Vasques, em 26.07.09

Joana Amaral Dias poderia ter sido convidada pelo PS, recusar o convite e encerrar o assunto em privado e em silêncio. Entendeu, por razões que não interessa para o caso, comunicar o sucedido a Francisco Louçã. Este, por sua vez, poderia ter ficado a saber do sucedido e nada dizer em público. Entendeu, todavia, criar um caso político. E é aqui que o caso se torna interessante: por que motivo Louçã decidiu amplificar e dar um impacto político ao convite?

Dissuasão, pura e dura. Louçã entendeu responder de forma desproporcional, de modo a incutir um custo, ou a expectativa de um custo, de tal forma elevado que obrigue o PS a pensar duas vezes antes de voltar a abordar alguém do BE.

Ironicamente, a reacção de Louçã revela também fraqueza. Algo surpreendentemente ficámos a saber que o líder do BE receia as investidas do PS nas suas águas. Louçã receia eventuais deserções nas fileiras. Quem diria?

 

Paulo Gorjão (Delito de opinião)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

||| Assédio, disse ela.

por Tomás Vasques, em 26.07.09

Se José Sócrates, secretário-geral do PS, tivesse convidado Joana Amaral Dias para a lista de candidatos a deputados do PS, nas próximas eleições legislativas, estava no exercício dos seus direitos e tinha toda a legitimidade para o fazer, apesar do mau gosto político de tal convite  Se o secretário-geral do PS tivesse abordado a bloquista e lhe tivesse dito: «minha cara, se o PS ganhar as eleições conto consigo para dirigir o Instituto da Droga e da Toxidependência, estava no pleno uso dos seus direitos e tinha toda a legitimidade, apesar dos danos que iria causar ao dito instituto. Perguntar não ofende, diria o outro. E só um trotskista furibundo pode encontrar nisto «tráfico de influências». Parece, afinal, que a coisa pia mais fino: Joana Amaral Dias, rejeitada no último congresso do BE, está empenhada em recuperar a confiança que Louçã lhe retirou. E em manter-se, também, à tona de água. Para além de Louçã, o que é normal, toda a direita seguiu atrás das declarações da senhora. Eles – a direita -  andam atrás de tudo o que mexe, enquanto não aparece um programa de governo  do PSD.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28

|||Livros e leitores.

por Tomás Vasques, em 26.07.09

 

Gosto de livros. De todos os livros, os que leio e os que não leio. Os livros guardam o património e a memória do que somos. E são amigos silenciosos e fiéis. Há quatro décadas que, compulsivamente, compro livros. Ainda me recordo que, há 40 anos, a primeira coisa que fiz quando recebi o meu primeiro salário foi comprar um livro, o meu primeiro livro comprado (antes eram as bibliotecas itinerantes da Gulbenkian que suportavam a minha leitura). Numa livraria em Almada. Já não sei precisar se foi As vinhas da Ira ou A um deus desconhecido, mas não é relevante. Foi John Steinbeck. Não sei se me vou adaptar ao e-book. Gosto de os folhear, sublinhar, dobrar o canto superior direito da página. Arrumá-los na estante. Há quem não perceba o que é gostar de livros. A esses aconselho a frequentarem livrarias, como quem frequenta restaurantes. E nunca saírem de uma livraria sem comprar um livro. E, assim, aprenderem a ler como Kate Winslet, em The Reader. Vão ver como serão muito mais felizes.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.