Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| Companhia Teatral do Chiado.

por Tomás Vasques, em 03.07.09

Ontem à noite fui assistir a uma das peças de teatro em cena no Teatro-Estúdio Mário Viegas. A arte do crime, encenada por Juvenal Garcês e interpretada por Simão Rubim, Vanessa Agapito e Emanuel Arada. Gostei da peça, da interpretação e da encenação, aliás na linha estético-teatral da Companhia Teatral do Chiado, desde O Regresso de Bucha e Estica, A birra do morto, Nápoles Milionária ou A arte da comédia, no começo dos anos 90 e com a marca de autor de Mário Viegas, a que Juvenal Garcês, a partir de 1996, deu uma fiel e sábia continuidade. A Companhia Teatral do Chiado é uma digna instituição cultural de Lisboa: mantém a linha de rumo legada por Mário Viegas, criou uma corrente de público e promove o gosto pelo teatro, sobretudo entre os mais jovem. E anima culturalmente o Chiado. E tudo isto sem apoios financeiros do Estado ou da Câmara, o que não é usual no nosso país. Muitos pensaram que o desaparecimento de Mário Viegas significava o fim da Companhia Teatral do Chiado. Estes últimos 14 anos provaram que não. Tempo suficiente para a Câmara de Lisboa olhar para Companhia e para a memória de Mário Viegas de outra maneira.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:57

||| Do salamaleque e outras hipocrisias.

por Tomás Vasques, em 03.07.09

Não é que considere um gesto aprumado e de fino recorte dialéctico o fragmento da simbologia taurina – associada frequentes vezes à codificação mediterrânica da honra e vergonha – que levou à demissão do ministro Manuel Pinho. Mas parece-me mais aceitável uma atitude repentista de sincera irritação, com razão ou sem ela – «por qué no te callas?» –, do que o espectáculo diário da hipocrisia do salamaleque.

 

Rui Bebiano, A Terceira Noite.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:27

||| Manuel Pinho, o diabo?

por Tomás Vasques, em 03.07.09

 

Ninguém sabe, ao certo, o que Manuel Pinho quis transmitir com o seu gesto, ontem no Parlamento, a Bernardino Soares. Eu sou um diabo para o PCP? É uma hipótese. Meti os cornos ao PCP nas Minas de Aljustrel? É outra hipótese. Só Manuel Pinho sabe o que lhe passou pela cabeça naquele momento. É um gesto infantil, obviamente. Mas, inevitavelmente, com direito a guia de marcha quando é feito naquele local e naquelas circunstâncias. Quando uma infantilidade pode ser interpretada como um insulto. E, no entanto, ao contrário de uns sisudos que por aí passeiam o seu «ar grave», eu gostava do estilo de Manuel Pinho: descontraído, desbocado, aligeirado, às vezes. Mas, muita gente, aprecia mais (exige mesmo, sobretudo aos «homens de Estado» no exercício das suas funções), o estilo carrancudo e o ar sério dos mangas-de-alpaca. No fundo, o estilo que Salazar ensinou, praticou e deixou escola.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:59



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.