Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



|||Censuras.

por Tomás Vasques, em 07.09.08

A propósito deste meu post, onde me insurgi ao saber, pelo João Gonçalves, que a Biblioteca Municipal de Faro bloqueia o acesso a determinados blogues, Adriana Freire Nogueira teve a atenção de esclarecer que, nos sítios públicos, está instalado um filtro que barra o acesso mal detecta conteúdos «associados a pornografia»: ao encontrar algumas palavras consideradas obscenas, bloqueia. Isto chega ao caricato: sei de um caso de um colega de Latim que, ao colocar no blogue que criara para a sua disciplina um texto em que entrava o verbo latino puto, putas, putare, putaui, putatum (que significa «julgar, considerar»), foi bloqueado. O mal não está, como presumi, na Directora da Biblioteca António Ramos Rosa. Está no excesso de zelo de uma Administração despersonalizada que, por preguiça, deixa andar e pouco faz para separar o trigo do joio. Mais filtro, menos filtro, ninguém se incomoda. Mas não é verdade: há quem se incomode.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

|||Rentrée política.

por Tomás Vasques, em 07.09.08

Terminou hoje a Festa do Avante. No comício de encerramento, Jerónimo de Sousa, disse o que lhe compete dizer: atacou as «políticas de direita» do governo, mas – escrevem os jornais – centrou parte da sua intervenção no aumento da criminalidade violenta, à qual o governo deu uma resposta «fraca». Aliás, Jerónimo de Sousa parece ter moldado esta parte do discurso pelo que, à hora do almoço, ouviu a Manuela Ferreira Leite, no encerramento da Universidade de Verão. A dirigente social-democrata também centrou o seu discurso na «insegurança»: não se sente que os criminosos sejam perseguidos e punidos, disse. O líder comunista copiou a frase ao dizer que se gerou um sentimento de que os criminosos ficam impunes e que o Estado está vulnerável ao crime. Ambos cederam ao efeito fácil: «isto» da segurança deve «render», falemos então no assunto. Para a rentrée se completar falta ainda ouvir as sábias palavras de Francisco Louça. De Paulo Portas já não se espera nada de relevante. No fundo, os discursos de Jerónimo de Sousa e de Manuela Ferreira Leite foram uma prenda de aniversário a José Sócrates.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:27

|||Eleições. Angola.

por Tomás Vasques, em 07.09.08

Sobre as eleições em Angola, pelo que tenho lido, há três leituras: a primeira, diz que se trata de uma farsa montada pelo partido no poder para enganar incautos, comparando-as com as eleições marcelistas; ao contrário, a segunda, diz que se trata de um acto eleitoral legal e democrático, que em nada fica a dever aos processos eleitorais realizados em qualquer país europeu; entalada entre estas duas leituras, a terceira, diz que se trata de um processo eleitoral imperfeito, em que o partido no poder domina todos os canais de «mediação» com os eleitores e distribui emprego e benesses, mas é um passo no caminho da democracia. Apesar de cada uma destas leituras poder estar directamente relacionada com «exportações» e «importações», há quem, se tivesse vergonha na cara, nunca mais deveria escrever uma linha que fosse sobre Alberto João Jardim e a Madeira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44

|||Ler os outros.

por Tomás Vasques, em 07.09.08

 

 

  • «A esquerda europeia gostaria de ter um Obama, sem levar com uma Palin. Mas o sistema que criou Palin é o mesmo que pode conduzir Obama à presidência. Obama não existiria, se Palin não existisse. Ambos são frutos do risco, de juizos apurados de eficácia, e de uma máquina que ignora as subtilezas culturais para levar o mais longe possível o princípio da representação. É exactamente por não compreendermos isto que não existem Obamas na Europa

American way, de Luís M. Jorge (Vida Breve).

  • «Uma justiça governamentalizada é inaceitável, mas uma república de juízes resulta necessariamente na arbitrariedade da lei.»

 

Um estudo demasiado conveniente, de Pedro Sales (Zero de Conduta).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:04

||| Citações.

por Tomás Vasques, em 07.09.08

«Num país pequeno como Portugal, onde as pessoas se cruzam e tornam a cruzar, a integridade intelectual e profissional desliza inevitavelmente para um "pessoalismo", que deforma o juízo mais claro e a vontade mais firme. As coisas não são o que são; são o que se vê pela simpatia ou pelo ódio, pela hostilidade ou pela tolerância

 

Vasco Pulido Valente, Público, 07.09.08.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.