Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| Há petróleo no Beato [2]

por Tomás Vasques, em 01.08.08

Meu caro João Gonçalves: independentemente de pequenos episódios, como o «número« de ontem, protagonizado por Cavaco Silva, quanto ao essêncial, dizes que o regime está em crise. Claro que está! Mas, como sabes, a crise do regime não é de hoje, nem de ontem, nem é só cá neste cantinho, em que as elites, em geral, são endemicamente invejosas e culturalmente pequeninas. É também por essa Europa fora a começar em Itália e a acabar em França, cujo presidente, e cujo regime tu tanto admiras, usando para isso, naturalmente, outros critérios de avaliação. É um processo degenerativo de envelhecimento da democracia. E não são só as células que vão morrendo. Com a idade e a experiência ganhou manhas e truques que usa, em cada situação, umas vezes para enganar o Zé pagode; outras por mera preguiça. O problema está nas soluções regenerativas (ou alternativas) da democracia tal como ela «existe». Uns esforçam-se por vender, como alternativa, o modelo soviético como solução. Tecem elogios à Revolução de Outubro, citam Marx e Lenine a torto e a direito, e dizem que em Cuba e na Coreia do Norte o povo é feliz. Prezo demasiado a liberdade e a democracia e mando-os bugiar. Conhecemos o que foi (e ainda é) o «socialismo real» para lhes não abrir a porta. Outros – nos quais, muitas vezes, te incorporas - acenam com um «messianismo» abstracto: isto precisa é de alguém, com pulso forte e cacete na mão, para «meter na ordem» a mediocridade e a bagunça reinantes. Por formação democrática não acredito em «salvadores» e muito menos em «pulsos fortes e cacetes na mão». Nem em Deus eu acredito, quanto mais em homens «providenciais». Posto isto, resumidamente, entendo que é no quadro da preservação da liberdade e da democracia que devem ser encontradas as soluções de regeneração e de bem estar colectivo. E neste processo, a «desmontagem» do regime, tal como tu sistematicamente o fazes, é um precioso contributo, tal como outras «desmontagem», vindas do PCP e da extrema-esquerda, são úteis. Temos os partidos que temos e não outros; temos os dirigentes que temos e não outros - são os que os portugueses conseguiram produzir. Não se fabricam nas Caldas… mas continuamos a luta por dias melhores. É a vida!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:41



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.