Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| Livros.

por Tomás Vasques, em 02.05.08


O Maio de 68 explicado a Nicolas Sarkozy, de André Glucksmann e, seu filho, Raphaël Glucksmann. Tradução de Rui Santana Brito. (Guerra & Paz, Maio de 2008).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:40

||| Maio, maduro Maio [2]

por Tomás Vasques, em 02.05.08
Menos de 40 anos depois da morte de Karl Marx (e vinte e poucos anos depois da morte de Engels), consumou-se a primeira tomada do poder pela «classe operária», concebida e dirigida por Lenine. Em 1917, na Rússia czarista e feudal. Trinta e poucos anos depois, em nome da Marx e Engels e com os contributos de Vladimir Ilitch Uliânov, consumou-se a segunda tomada do poder pela «classe operária». Em 1949, na China imperial e feudal. O que unia, no começo do século XX, a Rússia e a China, era modo de produção asiático, como o próprio Marx caracterizou. Asiático e feudal, na China, feudal e asiático, na Rússia. Marx concebeu a revolução proletária como consequência natural do modo de produção capitalista. Na Inglaterra, na Alemanha, na França. Aqui, a revolução industrial tinha produzido uma classe operária despojada de tudo, maioritária entre todas as classes sociais e que nada tinha a perder senão as amarras à miséria e à opressão. Mas, por ironia do «destino», as revoluções «proletárias», em nome de Marx, aconteceram em países com uma classe operária residual e quase inexistente. O resultado não podia deixar de ser o que foi. Por isso, não é de estranhar que os partidos comunistas que encabeçaram estas duas revoluções, cada um num momento próprio, tenham concluído que era necessário fazer marcha atrás e desenvolver, primeiro, o modo de produção capitalista, como etapa necessária para a iniciar a construção do socialismo. (o próprio Lenine tinha chegado a esta conclusão e, por isso, lançou a Nova Política Económica, abortada por Staline com o fuzilamento de milhões de camponeses). O PC da URSS, com Gorbachov, não se considerou capaz de dirigir o processo de desenvolvimento capitalista e entregou o poder a quem fosse capaz de tal tarefa. Ao contrário, o PC Chinês considerou que era capaz de dirigir a etapa do desenvolvimento capitalista. É necessário desmistificar o óbvio: a «ditadura do proletariado» em sociedades praticamente sem classe operária foi, quer num caso, quer noutro, a ditadura de um partido e não a ditadura de uma classe. Mas, agora, no século XXI coloca-se uma questão nova: onde é que está a classe operária do século XIX, a classe operária analisada por Marx? Os comunistas portugueses, a avaliar pelo eixo de gravidade das suas lutas, acham que a «nova» classe operária são os trabalhadores da Função Pública, maxime os professores. Ainda não perceberam que Cristo morreu, Marx também e eu próprio já não me sinto nada bem ....
(PS: estes textos - Maio, maduro Maio - são a resposta a algumas questões que me são colocadas por email.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:03



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.