Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| Histórias da República [5]

por Tomás Vasques, em 14.02.08
«As minhas relações com Bolo Pachá (1) tiveram o seu eco em Portugal, onde os apaches que ali estão mandando pretendem agora insinuar que eu teria sido o amigo do Pachá e, porventura, o seu cúmplice. Homem Christo Filho, que hoje se intitula representante do Governo Português, andou pelas redacções dos jornais de Paris a oferecer um papel encontrado em Lisboa num cofre de Affonso Costa e no qual se fala em Bolo Pachá. Tive de fazer declarações, de dirigir cartas aos jornais…»
Diário de João Chagas, 14 de Fevereiro de 1918.
(1) Bolo Pachá, egipcio, que vivia em França. Em 1918 foi preso no Grand Hotel em Paris, acusado de traição a favor da Alemanha, julgado, condenado e fuzilado. No seu processo, a principal acusação terá sido a de receber dinheiro da Alemanha para pagar artigos pacifistas em jornais franceses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:47

||| A democracia, essa eterna amante. [4]

por Tomás Vasques, em 14.02.08
Há muitas décadas que o PCP não tinha tantos COMPAGNONS DE ROUTE como tem hoje. Com uma diferença: noutros temos bordejavam o «partido»; hoje militam noutros partidos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:20

||| A democracia, essa eterna amante. [3]

por Tomás Vasques, em 14.02.08

Quando, hoje, se fala nos «ataques à democracia» vem-me à memória as múltiplas «brigadas comunistas» que tentaram impedir-me de chegar, no Verão de 1975, à Fonte Luminosa. Sem sucesso, como sem sucesso foi a vida política de Álvaro Cunhal – um mito dos comunistas portugueses que teve o azar de não acertar uma única vez. A sua primeira falta de visão histórica foi a posição que tomou na ruptura do movimento comunista internacional, nos anos 60. Optou pelo PC da URSS em detrimento do PC Chinês. Hoje, o resultado dessa «visão» está à vista: a URSS desmoronou-se e o PC da URSS desapareceu, enquanto os herdeiros de Cunhal vão acarinhando o PC Chinês. Deve ser duro de engolir depois do que disseram dos comunistas chineses nos anos da cisão. Essa falta de visão repetiu-se em 74/75. Cunhal imaginou-se um novo Lenine capaz de transformar a «revolução burguesa» em «revolução proletária». Até viu em Mário Soares o Kerensky cá do sítio. Não entendeu os tempos e, por isso, ganhou o passaporte para o anonimato histórico. A sua falta de visão levou-o à derrota. Nos anos a seguir ainda teve a «visão» que era possível manter as nacionalizações, o conselho da revolução e outras «conquistas da revolução», mas o que lhe saiu na rifa foi a queda do muro de Berlim. Hoje, os seus herdeiros, arcando esta pesada herança de falta de visão e de insucessos, persistem no erro, espalhando aos sete ventos que estamos à beira de uma ditadura. Confundem desejos com realidade. Uma coisa é o aperfeiçoamento da democracia e a melhoria das condições de vida de todos os portugueses. Outra, bem diferente, são as soluções alternativas à democracia – as ditaduras. E as soluções do PCP são, comprovadamente, soluções ditatoriais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

||| A democracia, essa eterna amante. [2]

por Tomás Vasques, em 14.02.08
Há quem acredite nas aparições de Fátima. Eu não acredito, como não acredito nas «democracias» em Cuba ou na Coreia do Norte. Há quem acredite na bondade dos generais que, por cá, se assumem como «reservas morais» da nação Eu não acredito, como não acredito nos «sinais de explosão» colhidos num supermercado por quem, com unhas e dentes, defendeu a maioria absoluta que nos governou durante 10 anos. Também não acredito no desbragado alarido que por aí circula sobre o «poderoso ataque às liberdades», usando as palavras dos «jornalistas» do Avante, como não acredito nos cantos de sereias de quem não está vocacionado para fazer, mas apenas para dizer como se faz. Sou, no fundo, um incrédulo. Mas acredito na democracia, apesar das suas imperfeições.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:10

||| A democracia, essa eterna amante. [1]

por Tomás Vasques, em 14.02.08
A avaliar pelo tom da polémica que por aí circula, vulgarmente designada por «Caso Abrantes», começo a recear que se esteja a instalar uma cultura política salazarista de pernas para o ar: antes a perseguição política era à oposição ao governo; agora, é a quem apoia o governo. Eu, pela minha parte, apenas quero ter a liberdade de apoiar ou criticar quem estiver no governo ou na oposição sem que seja perseguido pela minha opinião.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03

||| Sarkozy, um modelo com pés de barro?

por Tomás Vasques, em 14.02.08

Parece que, entre os franceses (a França profunda?), Sarkozy está em queda livre. Uns dizem que é por causa do lento crescimento económico; outros dizem que é por causa do seu estilo pessoal. Por isto ou por aquilo, o salvador da «pátria» está a esfumar-se em pouco tempo. Terá um segundo fôlego ou já não sairá da agonia? Ao menos que se salve o casamento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:59



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.