Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Paradoxos à portuguesa.

por Tomás Vasques, em 18.04.07
- Diga senhor Engenheiro.
- Não me chame Engenheiro. Eu sou Engenheiro, mas também sou Técnico e também sou Civil. Por isso, chame-me Engenheiro Técnico Civil, se faz favor. Nada de facilitismos senão um dia ainda dizem que deixei que me tratassem só por Engenheiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28

Ler os outros.

por Tomás Vasques, em 18.04.07
«... verdadeiramente bombástico, nos próximos dias, seria outro desfecho que não a confirmação do encerramento imediato da Universidade IndependentePaulo Gorjão (Bloguítica).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:31

Citações.

por Tomás Vasques, em 18.04.07



Extracto de Clinton, Sócrates e os media, de Teresa de Sousa, Público de 18.04.07.. (Sublinhados meus).

«Acompanhando com alguma atenção o essencial do caso que domina, nos últimos tempos, a vida nacional, direi que, quando tudo isto se começou a avolumar e quando muita gente começou a ter a boca cheia da palavra "carácter", me veio inevitavelmente à mente o caso do Presidente Bill Clinton. O último, quero dizer, porque houve vários. O chamado "caso Lewinsky". Durante meses a fio, a imprensa, incluindo a de qualidade, concentrou os seus recursos e o seu espaço noticioso no caso. Deixou de haver mundo para lá das mentiras do Presidente sobre as suas relações com a célebre estagiária da Casa Branca. A imprensa arrasou-o. Os republicanos agarraram o osso e nunca mais o quiseram largar até à tentativa de impeachment. A direita religiosa e conservadora aproveitou para se vingar de um Presidente que representava tudo aquilo que ela odiava. O procurador Kenneth Starr transformou-se num símbolo da moral pública. Cada um fez o seu juízo do Presidente americano. Eu fiz o meu e devo confessar que não mudei de opinião, mesmo perante a palavra "perjúrio". Já na altura estava convencida que ele era um grande Presidente para os americanos e para o mundo, em geral. Hoje acho precisamente o mesmo (eu e mais 70 por cento dos americanos e muito boa gente que dizia dele cobras e lagartos). Mas a verdade é que a segunda metade do seu segundo mandato ficou afectada pelo escândalo. A imprensa e a oposição quase não o deixavam respirar. Tudo o que ele fazia ou decidia era interpretado lewinskianamente. Por exemplo, quando decidiu bombardear uma base da Al-Qaeda no Afeganistão depois dos atentados contra as embaixadas americanas em África, muita gente achou por bem dizer que era para desviar as atenções. Perdeu tempo e energias, o que ajudou George W. Bush a ganhar as eleições e foi o que se tem visto. (...)

Mas não há nada pior do que transformar a moral e o carácter em noções abstractas que alguns iluminados têm o direito de definir. Não há nada pior do que a república dos impolutos e dos justiceiros.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:12



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.