Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Triste país (5).

por Tomás Vasques, em 17.04.07
Este país é uma canalhocracia feita de gente invejosa, mesquinha e maledicente, onde 32 mortes numa escola no estrangeiro é encarado de uma forma mais branda do que uma chapada que a D. Alzira, que saiu mal disposta da barraca onde vive, enfiou na professora primário do filho. Não se trata de um privilégio de ninguém, atravessa indiscriminadamente todas as classes sociais, ricos e pobres, cultos e analfabetos – é o modo de estar deste triste povo desde a batalha de S. Mamede.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:59

Triste país (4).

por Tomás Vasques, em 17.04.07
Em que se substitui o essêncial pelo acessório.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Triste país (3).

por Tomás Vasques, em 17.04.07
Em que não se distingue um pecado geracional de um pecado pessoal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

Triste país (2).

por Tomás Vasques, em 17.04.07
Em que o striptease substitui a luta política.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:06

Triste país.

por Tomás Vasques, em 17.04.07
Em que a chantagem pública e notória já não indigna ninguém; até é aplaudida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:59

Toyota.

por Tomás Vasques, em 17.04.07

Depois das eleições legislativas de Fevereiro de 2005 a direita, mesmo aturdida e baralhada pelos resultados, obteve duas vitórias eleitorais. Uma, nas eleições autárquicas, cujo símbolo vitorioso é Carmona Rodrigues, presidente da Câmara de Lisboa; a outra, nas eleições presidenciais, onde Cavaco Silva venceu à primeira volta. Em qualquer situação normal, o resultado destes dois actos eleitorais teria fornecido à direita o gás necessário para alimentar uma oposição consistente, mesmo contra um partido que governa sustentado numa maioria absoluta no parlamento. Mas tal não aconteceu. O símbolo da vitória autárquia esfumou-se em meia dúzia de meses, lançando a Câmara de Lisboa num pandemónio e, pior, desacreditando o PSD, enquanto solução alternativa ao governo. Por seu turno, Cavaco Silva, o protagonista da outra vitória eleitoral da direita (e um símbolo por excelência do PSD), mais preocupado com a resolução dos problemas reais do país do que com a satisfação do seu eleitorado – o «povo de direita» –, desde a tomada de posse que exprime, de forma mais aberta ou mais velada, que o governo está a fazer o que deve ser feito. Neste quadro, o «chefe» da oposição, Marques Mendes, é o terceiro dado do problema (nem a licenciatura em Universidade pública o ajuda). São frustrações e orfandades a mais para o «povo de direita» que, resignado, já ia admitindo outra vitória por maioria absoluta do partido socialista e de José Sócrates nas próximas legislativas. Compreende-se que, agora, quando lhes saiu uma Monica Levinsky na rifa, se agarrem ao vestido como náufragos. Parece, pois, que o folhetim Universidade Independente é como a Toyota: veio para ficar. Hoje, por exemplo, vão abrir um baú!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:17

Ser ou não ser engenheiro.

por Tomás Vasques, em 17.04.07

No Jornal de Negócios de ontem, Baptista Bastos botou palavra, na sua habitual crónica, sobre engenharia - Ser ou não ser engenheiro, titulou ele o seu naco de boa prosa. Não resisto a transcrever um extracto desse texto(sublinhados meus):

«Uma Imprensa catequista tem vindo a crestar José Sócrates em lume brando. Em causa, a licenciatura do homem e a angustiante interrogação: ele é, ou não, engenheiro? A pergunta derramou-se, com lascívia, pelo País. O País, como, aliás, a Imprensa, está pelas ruas da amargura, mas é propenso ao respeitinho e à adulação.
Ser engenheiro, doutor, arquitecto é muito mais importante do que ser competente, eficaz, íntegro e digno. A Imprensa portuguesa devolve a imagem do sítio onde existe: está pejada de doutores, engenheiros e arquitectos, quase todos péssimos jornalistas. E quase todos ascendentes a cargos de directoria, por atalhos amiúde sombrios. Escrevem desamparados de gramática e pouco favoráveis a reflectir sobre os acasos que apadrinham as razões. (...)

Se desconfiamos de Sócrates temos todo o direito de desconfiar daqueles que de ele desconfiam, de modo tão obsidiante. A arfante diligência com que jornais e televisões (não todos, não todas) desancam o homem – dá que pensar. E a vida ensinou-nos que nada acontece por banal prolongamento do acaso. (...)

Estou à vontade: tenho criticado a actuação deste Governo, que me parece não apenas mau: no meu entender, é muito mau. Nada me impede de tentar ver as coisas para lá dos vapores de nevoeiro criados em redor deste assunto. Repugnam-me tanto os ofícios de trevas como as liturgias sacrificiais. (...)

Deplorável a declaração de Marques Mendes, cada vez mais desorientado e confuso. Lamentável a irritação de Pacheco Pereira, cada vez mais vítima de incontrolável egolatria. »

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:27



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.