Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Parafraseando...

por Tomás Vasques, em 12.04.07
Jacques de la Palisse: Quanto maior for a fragilização política de José Sócrates, maior será a fragilização de Aníbal Cavaco Silva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

O velho do Restelo.

por Tomás Vasques, em 12.04.07

Já escrevi várias vezes neste espaço que a blogosfera é uma revolução tranquila nas esferas comunicacional, informativa e, sobretudo, na participação dos cidadãos no quotidiano político, cultural e social. As opiniões multiplicam-se, globalizam-se e questionam. A cada cidadão corresponde uma opinião – exerce-se, assim, uma democracia mais participada. Este é o exercício de uma democracia que o século XX não conheceu, mas que – entendo eu – vai marcar o século XXI. Os poderes instituídos, arautos de choques tecnológicos, mas sem lhe medirem as consequências, sentem-se incomodados com a participação dos cidadãos que estes novos registos permitem. A comunicação social tradicional é domesticável; esta nova fórmula não – concluem. Neste momento, usam como arma de arremesso a franja desta revolução tranquila, anónima por excelência e, na maior parte dos casos, por cobardia, que se constitui com uma nódoa pela irresponsabilidade a coberto desse anonimato, para zurzir neste multidão que tem opinião e que a transmite sem peias. Não ouvi, mas li três ou quatro notas sobre a apreciação depreciativa do primeiro-ministro sobre a blogosfera. Se assim foi significa que ainda não entendeu a substância do que designou por choque tecnológico. Apenas reteve a forma. De qualquer modo, não é de admirar a resistência do statu quo sobre a inovação. É um dado histórico que se repete a cada momento: o velho do Restelo, como Camões o consagrou. Mas, contudo, a terra move-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05

Pedido de desculpas.

por Tomás Vasques, em 12.04.07
Hoje foi notícia o pedido de desculpas do presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz, pelo aumento e pela promoção concedidos à namorada, uma funcionária da instituição. «Cometi um erro e peço desculpa», afirmou Wolfowitz num comunicado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:33

Arder em fogo lento (4).

por Tomás Vasques, em 12.04.07


Outros compromissos impediram-me de ver a entrevista do primeiro-ministro na RTP. Azar. Contudo, a avaliar pelo Público Online, pelas manchetes da imprensa de hoje – neste momento estão a passar na SIC-Notícias –, nomeadamente a do DN e a do Público (a primeira escreve «Sócrates passa no exame», a segunda nada refere sobre a entrevista de José Sócrates – o que é significativo) e pelas leituras dos meus blogues de referência (cito, a título de exemplo Francisco José Viegas , a minha primeira impressão (por via indirecta) é a de que esta tempestade, que parecia submergir o primeiro – ministro, pode estar quase ultrapassada. E, se isso acontecer, o mérito político vai todo para o único protagonista deste filme: José Sócrates. No entanto, os efeitos ao nível do zé povinho estão ainda por avaliar. Em próximas sondagens se verá. Outro facto de que a crise se está a esfumar é a reacção de Marques Mendes, a qual corresponde à interpretação da manchete do DN. Mendes, que se mantivera em silêncio até agora, deixando à comunicação social, nomeadamente ao Público e ao Expresso, o trabalho sujo, esperneou no momento em que percebeu que o filão se tinha esgotado. Pelo tom de voz, que o rádio me deu, até parecia uma virgem que nunca tinha recebido dinheiro da Universidade Independente. José Manuel Fernandes que, neste caso, fez de Monica Levinsky, ainda insiste na nódoa que tem no vestido, mas parece que José Sócrates a desbotou, o que significa que este poderá ter demonstrado que sexo oral não é sexo.
Este país precisa de dar uma pirueta e não o consegue com um primeiro-ministro diariamente vilipendiado, ainda por cima por razões laterais. Os próximos dois ou três dirão o que vai acontecer: se o caso da licenciatura do primeiro – ministro vai definitivamente para o lixo ou se ainda sobrou espaço para assombrar a governação. De qualquer forma, Maio está à porta e, apesar destes dias frios de Abril, não tarda nada cheira a verão: a praia, o Algarve, as Caraíbas e sei lá que mais serão as principais preocupações da nossa classe média. E, por essa altura, chega a presidência da Europa. No fundo, já falta pouco para chegar o fim do ano e, depois, o fim do mandato governativo. No fundo, basta chegar a próxima semana.
Adenda: Afinal a primeira página do Público é ocupada por um fotografia do primeiro ministro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:42



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.