Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Publicidade.

por Tomás Vasques, em 06.03.07
(O Século Ilustrado, Nº409, 1945 - no Ilustração Portuguesa)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:47

A manif. (ou a arte de desconversar).

por Tomás Vasques, em 06.03.07
(Manifestação de tanques soviéticos nas ruas de Budapeste, em1956)


Vítor Dias voltou ao assunto da manif e considera que, quando referi (na resposta ao seu primeiro post ) aquilo que nos distancia, como premissa para situar a minha interpretação da manifestação de sexta-feira passada, a qual reuniu mais de 120 000 pessoas nas ruas de Lisboa, apenas usei a “suprema arte de desconversar”. Mas, no meu modesto entender, “desconversar” é o essencial; “conversar” é o acessório. Ou seja, o meu “desconversar” pretendeu apenas distinguir os regimes democráticos dos regimes não democráticos como duas vias diferentes de atingir o objectivo supremo: o direito ao bem estar e à felicidade de todas as pessoas. Ora, esta distinção nada tem a ver com “insinuações caluniosas”, mas com factos e realidades: assenta num critério de avaliação (pluri-partidarismo versus partido único, com todas as consequências daí decorrentes). Mas, vamos então à questão que Vítor Dias coloca: estou certo que o partido socialista, enquanto partido que apoia o actual governo, numa situação limite, caso a democracia estivesse em causa, seria capaz de mobilizar os portugueses em sua defesa. Já o provou com sucesso no passado. Estou apenas a lembrar-me da Fonte Luminosa. Lembra-se Vítor Dias? E a Unicidade Sindical? – Também deve ter memória desses momentos em que o partido socialista teve de defender a democracia na rua? Mas, no quadro de uma democracia estável, o partido socialista não tem motivos para “referendar” a sua política governativa através de manifestações de apoio. Daí ter referido que essas manifestações de apoio ao governo terem acabado com o 25 de Abril. O partido socialista aguarda com serenidade as eleições, onde todos os portugueses que querem manifestam a sua opinião (por isso escrevi cada português um voto) e não apenas 1% ou 2% dos portugueses, como acontece nas manifestações “contra as políticas de direita do governo”. Termino da mesma forma: todas as formas de exercício da liberdade, em que as manifestações de rua se integram, como a de sexta-feira, são uma prova de vitalidade da democracia. Valem o que valem e representam o que representam. Apenas isso. No quadro de uma democracia 2% dos portugueses não podem pôr em causa a decisão de uma larga maioria. Tenho pena, mas citando Alexandre Soares Silva, direi: é estranho, também não sei explicar, mas continuo escrevendo aquilo que eu penso, e não aquilo que você pensa. É tudo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53

Hoje? Às 18,30 ?

por Tomás Vasques, em 06.03.07
O Luis Carmelo é anti-portista e conta com a colaboração activa de Francisco José Viegas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:11



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.