Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até amanhã.

por Tomás Vasques, em 21.02.07


Otto Müller (1874-1930)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:59

Romano Prodi apresentou a demissão.

por Tomás Vasques, em 21.02.07

Romano Prodi levou ao Senado uma moção de apoio à política externa do seu governo. A direita berlusconiana, com a colaboração da extrema-esquerda da Oliveira, a coligação que sustenta Prodi, chumbaram-lhe a moção. E porquê? A direita não quer soldados italianos na missão da NATO no Afeganistão, nem quer o alargamento de uma base militar americana em solo italiano. E a extrema-esquerda também não. Que grande combinação!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:17

Blogues do arco da velha.

por Tomás Vasques, em 21.02.07
Maria Amelia nasceu em Muxía, Galiza, em 1911. Completou já 95 anos. E tem um blogue. Tem sido notícia nos jornais por ser a bloguista mais velha do mundo. Também um sueco de nome Allan Loof, com 94 anos, nascido em 1912, mantem em actividade um blogue. Boa leitura e parabéns aos autores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:51

Conversas de café.

por Tomás Vasques, em 21.02.07
Com atraso: Cappuccino e conquilhas, no Kontrastes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16

Reino Unido e Dinamarca começaram a retirada.

por Tomás Vasques, em 21.02.07
Invadiram um país soberano em nome da luta anti-terrorista, mas hoje o Iraque é um palco previligiado do terrorismo, o que não era antes da invasão. Derrubaram um ditadura, mas não encontraram nada do que procuravam e que sustentou a "legitimidade" da invasão. Enforcaram o ditador, mas em troca atearam o caos, a guerra civil e a mortandade por anos e anos. Agora, lavam as mãos, e de rabinho entre as pernas vão começar a debandar. Uma coisa é certa: para mal dos nosos pecados o fundamentalismo muçulmano sai reforçado e com a certeza de que os EUA não se vão meter noutra tão cedo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:51

Citações.

por Tomás Vasques, em 21.02.07

Extractos de O branco e o vermelho de Ségolène Royal, Teresa de Sousa, Público, 21.02.2007. (Sublinhados meus)

«O que correu mal a Ségolène nas últimas semanas? Pagou caro alguns erros e algum amadorismo? Está esgotada a fase "participativa" da sua campanha? Está de novo refém da velha esquerda socialista e das suas velhas fórmulas desacreditadas? Quebrou-se a corrente entre ela e os cidadãos?

(…)
No princípio, Ségolène montou o cerco ao PS apelando às bases do seu partido e, sobretudo, às camadas populares, normalmente arredadas da esfera eleitoral socialista.(…) Nenhum compromisso e muita abertura. Foram estes os ingredientes com que estabeleceu uma corrente de confiança e de simpatia com os eleitores, que a colocaram persistentemente no topo das sondagens e lhe deram de mão beijada a impossível vitória sobre os "elefantes" do seu partido. O que viria a seguir seria necessariamente mais exigente.

(…)
Quando finalmente apresentou, no dia 11 de Fevereiro, o seu programa político, a dama de branco envergou o tailleur vermelho. Guinou à esquerda, regressando às velhas panaceias socialistas. Deveria ter sido o momento de contrariar as críticas ao tom demasiado vago do seu discurso. Tudo acabou por resumir-se num elenco de promessas sociais - da subida do salário mínimo e das pensões mais baixas, às melhorias salariais generalizadas, passando por toda a espécie de ajudas aos jovens à procura de um primeiro emprego, pela garantia de habitação, pelo velho "assistencialismo" (que ela própria condenou) do nascimento à morte. Mais do mesmo.

(…) No Monde, o filósofo Yves Michaud, apoiante de Royal, diz que o seu maior problema "é estar refém da esquerda". Esqueceu, por exemplo, "a relação entre direitos e deveres", que foi uma das suas principais diferenças, para "só prometer direitos". Evitou cuidadosamente as questões da ordem e da segurança com que, antes, tinha incomodado a doutrina politicamente correcta dos socialistas. Deixou espaço ao candidato da UDF, François Bayrou, e esqueceu a máxima de que as eleições se ganham ao centro.

(…)
Qual é a verdade de Ségolène: a da primeira etapa, das suas intuições, ou a do seu programa? Le Boucher admite que a candidata não pode avançar sozinha no seio de um partido voluntariamente "fechado na esterilidade intelectual".Muitos analistas explicam também a sua viragem à esquerda com a necessidade de fixar os eleitores de PS e, sobretudo, de secar a habitual miríade de candidatos de protesto (do PCF aos trotskistas, passando pelos altermundialistas) que normalmente se situam à sua esquerda. Lembram que foram eles que minaram a candidatura de Lionel Jospin em 2002 e lhe infligiram, a ele e à França, a suprema humilhação de ver Jean-Marie Le Pen passar à segunda volta. A questão é saber se Ségolène consegue seguir esta via na primeira volta sem alienar o capital de simpatia que conquistou muito para lá do eleitorado fiel da esquerda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:49



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.