Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Tomás Vasques, em 21.12.06
Memórias.


A propósito do post anterior veio-me à memória o Casal Ventoso- um nome bem conhecido, infelizmente, de todos os lisboetas e dizer a quem não conheceu aquele bairro o seguinte:
O Casal Ventoso não era como as Telheiras. Nasceu em finais do século XIX, desordenadamente, casa a casa, se assim se pode chamar, uma por cima da outra, numa encosta solarenga do Vale de Alcântara, bordejando a Rua Maria Pia. Com o tempo, vinte ou trinta anos, foi-se estendendo colina abaixo até à ribeira que por ali passava, transformando-se num bairro construído tábua a tábua, nas horas vagas, por gente humilde, homens e mulheres que, sem eira nem beira, afluíram de todos os pontos do país à grande cidade para alimentarem a nossa tardia revolução industrial.
E assim viveu, pacato e ignorado, pobre e sem condições de habitabilidade, como bairro operário, de gente trabalhadora e de boa vizinhança, até ao começo dos anos setenta.
As características do Casal Ventoso nos anos setenta, nomeadamente a exclusão social dos seus moradores, o desemprego e, sobretudo, o gueto urbanístico – um amontado de barracas sinuosamente empilhadas – facilitaram a transformação do bairro no principal e mais conhecido local de tráfico e consumo de drogas de Lisboa.

E todos os lisboetas sabiam que assim era.
E todos os lisboetas se envergonhavam (ou se deviam envergonhar) daquele bairro existir na sua cidade.
No início dos anos noventa a situação degradante, humana e urbanística, tinha entretanto piorado substancialmente: os seus habitantes viviam em condições infra-humanas, enquanto milhares e milhares de consumidores de drogas usavam o bairro diariamente para compra de drogas e seu consumo; muitas centenas por lá vegetavam, literalmente, dia e noite, sem amarras familiares nem amigos que lhe estendessem uma mão, agarrados para sempre ao sonho de subirem aos céus; mais de mil famílias, mais de quinhentas crianças e adolescentes, misturavam o seu dia a dia entre a habitação degradada e a envolvência num ambiente dantesco de seringas espetadas, mortes diária por overdoses e negócios ilícitos. Entretanto, a cidade trabalhava, divertia-se e dormia paredes-meias com este pesadelo.
Só quem se aventurava bairro adentro, dezenas e dezenas de vezes, como o João Soares e eu próprio, sabe o que é sentir a alma doer. Mais: fica-se com a certeza que palavras como solidariedade e cidadania são para fazer e não para dizer.
A partir de 1998 começou-se a desfazer o pesadelo. Deu-se então início à construção de casas dignas para quem vivia no Casal Ventoso, nas proximidades do local para que as pessoas que ali residiam mantivessem os seus laços de familiaridade, de vizinhança e de afectos – a Quinta do Cabrinha, de um e outro lado da Avenida de Ceuta. (Construiu-se no local um centro de apoio aos toxicodependentes, com cama, mesa e roupa lavada, para além de cuidados médicos primários; construiu-se, também ali próximo, na Rua de Cascais, um centro de encaminhamento e recuperação de toxicodependente provenientes do Casal Ventoso; e, também nas proximidades, na Rua Arco de Carvalhão, construiu-se um centro para toxicodependente sem-abrigo, com mais de duzentas camas).
Não são palavras lançadas ao vento sem conhecimento, nem sentido. São realidades que dão sentido à palavra solidariedade!
Hoje, um novo bairro percorre toda a Avenida de Ceuta. Um novo bairro pensado e construído. Com escola. Com centro de saúde. Com comércio. Com associações desportivas, culturais e sociais. Com vida. Um novo bairro onde os moradores do velho Casal Ventoso sentem que lhes foi restituída a dignidade. Onde sentimos alegria nos olhos de cada criança que salta à corda no pátio amplo e arejado. Onde ouvimos um homem, com sessenta anos, com olhar perdido no sonho, dizer: nasci ali – apontando para a encosta onde existiu o velho bairro – e nunca tive uma casa de banho. Agora tenho e esta é a minha maior felicidade.
Quem nunca entrou no antigo Casal Ventoso ou quem é alheio a essa coisa que se chama solidariedade (ou quando esta se restringe a uma árvore de Natal nesta época do ano) pode botar o discurso que quiser, falar mesmo em bairros atravessados por auto-estradas, mas nunca saberá o que é a sensação de felicidade de passar por lá e ver o sorriso de uma criança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:57

...

por Tomás Vasques, em 21.12.06
Gostei de ler:
«Lisboa não é uma inevitabilidade» de Carlos Manuel Castro (Tugir). Se o Carlos me permite diria: A degradação de Lisboa não é um inevitabilidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18

...

por Tomás Vasques, em 21.12.06

O Ex-Procurador.


O designado “processo Casa Pia” tem três vertentes: a pública, a oculta e a semi-oculta. A vertente pública está em julgamento, a partir de uma acusação do Ministério Público. Já perdeu o fôlego mediático de outros tempos, mas aguarda-se o veredicto de quem tem competência para o produzir – os Tribunais. A segunda vertente, penso, ficará eternamente oculta: as investigações da Polícia Judiciária, bem como a acusação produzida pelo Ministério Público sobre a pedofilia relacionada com a Casa Pia, focalizaram um universo restrito de protagonistas deixando de fora, provavelmente, muito “boa gente”. Finalmente a parte semi-oculta: a responsabilidade do ex-Procurador-Geral da República, Souto Moura, na manipulação política da investigação, da acusação e da mediatização de todo o processo. Sara Pina, ex-assessora da Procuradoria-Geral da República, em entrevista à Visão, volta a acusar Souto Moura de mentir sobre a sua responsabilidade na orquestração mediática (e as suas ligações perigosas com jornalistas) cujo objectivo era a “condenação popular” dos acusados. Dois membros do Conselho Superior do Ministério Público, contactados pela Visão, admitem que as declarações de Sara Pina poderão desencadear a abertura de um inquérito a Souto Moura. Ficamos à espera…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:16

...

por Tomás Vasques, em 21.12.06
Bocage.


Levanta Alzira os olhos pudibunda

Levanta Alzira os olhos pudibunda
Para ver onde a mão lhe conduzia;
Vendo que nela a porra lhe metia
Fez-se mais do que o nácar rubicunda:

Toco o pentelho seu, toco a rotunda
Lisa bimba, onde Amor seu trono erguia;
Entretanto em desejos ardia,
Brando licor o pássaro lhe inunda:

C'o dedo a greta sua lhe coçava;
Ela, maquinalmente a mão movendo,
Docemente o caralho embalava:

"mais depressa" – lhe digo então morrendo,
Enquanto ela sinais do mesmo dava;
Mística pívia assim fomos comendo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55

...

por Tomás Vasques, em 21.12.06
Citações.


Nuno Pacheco pergunta, hoje, no Público, Que Iraque em 2007? Transcrevo o último parágrafo.


«A verdade é que, no ponto a que se chegou, ninguém tem ainda ideias muito claras sobre o caminho a seguir. Negociar é uma ideia possível, travar a violência extremista é outra. São, aliás, complementares, embora ninguém arrisque garantir o êxito de uma e de outra. Na mais recente edição do Courrier Internacional, o filósofo José Gil resumia em escassas palavras o estado actual deste drama: "O relatório Baker quase encosta todos à parede com uma alternativa absoluta: ou se resolve tudo ou tudo explode. Mais do que nunca, é em situações destas que a diplomacia deve intervir, mesmo sem nenhumas garantias de êxito." Mas se à diplomacia se reservam tais dúvidas, elas não são menores no campo das armas. Bush, agora numa posição de menor inflexibilidade face a outras estratégias, vai desde já avisando que 2007 trará "escolhas difíceis e sacrifícios complementares". Ou seja: mais tropas no terreno. Mais vidas e dinheiro gastos com a guerra. A do Vietname consumiu 549 mil milhões de dólares (a preços actuais); a do Iraque caminha velozmente para os 600 mil milhões. Um preço elevado para uma "vitória" que é já, mesmo para Bush, uma quase derrota.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:09



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.