Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Tomás Vasques, em 11.12.06
De Teerão a Santiago.


Estas coisas estão todas ligadas. Para mal dos nossos pecados, obviamente. Sobretudo porque ao quererem moldar a história – os factos históricos passados – aos seus desejos ou objectivos presentes, deitam pela borda fora um capital precioso: as lições das experiências passadas. E, pior ainda, fazemos tábua rasa do sofrimento de milhões de pessoas que foram os infelizes protagonistas desses acontecimentos. E numa altura em que ainda há testemunhas vivas. Vem esta lenga-lenga a propósito da “conferência de historiadores e investigadores” de 30 países que hoje e amanhã se reúnem em Teerão para “decidirem” se o holocausto existiu.
O rumo da dita “conferência” está marcado a avaliar pelas declarações do único português presente: “Completamente irreal”, é como Flávio Gonçalves classifica a possibilidade da Alemanha nazi ter procedido ao extermínio de seis milhões de judeus durante a II Guerra Mundial. Este estudante de história garante não pertencer a qualquer partido, define-se politicamente como sindicalista-revolucionário e eco-anarquista e considera que o Holocausto é “o álibi perfeito” para o Estado de Israel: “qualquer coisa que Israel faça de mal, tem sempre a desculpa do Holocausto. Estão sempre a bater na mesma tecla”, afirmou ao Expresso antes de embarcar para Teerão o único participante luso na conferência ‘Revisão do Holocausto: uma Visão Global’.” (Expresso, Holocausto contestado, 8.12.06).
Em conclusão os senhores do Irão querem negar o Holocausto.
Mas vem esta lenga-lenga também a propósito da morte do ditador Augusto Pinochet. Uma direita que se pensa “moderna” também “decidiu” reabilitar o sanguinário ditador e corrupto chileno. Chamam “flagelações estatísticas” aos milhares de mortos, torturados e desaparecidos durante a ditadura, a qual denominam “regime autoritário que cometeu inúmeros atropelos, mas nunca degenerou numa solução totalitária.” À barbárie anti-constitucional de 11 de Setembro de 1973, designam por “golpe preventivo” e chegam ao desplante de escrever que “Pinochet elevou o Chile à categoria de economia avançada, com uma sociedade civil forte, interventora e responsável.”
Em conclusão a "direita moderna" quer negar a barbárie, da qual há muitas testemunhas vivas, incluindo a actual Presidente da República chilena.
Ideologicamente, são iguais: os “conferencistas de Teerão” que negam o Holocausto e a “direita moderna” que nega a barbárie da ditadura chilena. Mas o mais grave é que uns e outros têm consciência que estão a querer rever a história.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:55

...

por Tomás Vasques, em 11.12.06

Ironias.

A nossa "direita moderna" (tão "moderna" que se revê nos ditadores do século passado, quer tenham nascido em Santa Comba Dão ou em Valparaiso) não perde a oportunidade para tecer loas e branquear o ditador e corrupto mais sanguinário da América Latina, ontem falecido. Com este despudorado branqueamento ainda acabam, sem querer, por elevar Fidel Castro à categoria de Santo. A "direita moderna" tem todos os tiques dos comunistas: para ambos, os ditadores classificam-se em bons e maus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:34

...

por Tomás Vasques, em 11.12.06
Leituras matinais.
«O relatório Baker-Hamilton veio afirmar o óbvio, que o próprio novo Secretário da Defesa norte-americano reconheceu: os EUA cometeram um erro estratégico de grande dimensão no Iraque e estão a perder a guerra. E aponta um conjunto de medidas para minimizar o desastre provocado no Iraque, na região e no mundo, especialmente se a situação descambar para o caosJosé Loureiro dos Santos, Público, 11.12.06.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:10



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.