Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por Tomás Vasques, em 20.05.06
Notas soltas:
1) Souto Moura faz política, como o Michelle faz arroz de cabidela.
2) Pedro Mexia, mexe.
3) Marques Mendes vai passar o dia a estudar as Páginas Amarelas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10

...

por Tomás Vasques, em 20.05.06
Há coisas que nos ficam no ouvido: «A levíssima revista «Única», do pesadíssimo «Expresso» incluiu, no último número [sábado, 13, Maio, p.p.], uma instrutiva «reportagem» do Bairro Alto, assinada por um dito Bernardo Mendonça. Texto deplorável, de problemática legibilidade. O cavalheiro afirma, peremptório, que, «há 30 anos era a colina dos vadios, fadistas e prostitutas. Há 20, morada restrita dos intelectuais, artistas e poetas». A tolice é notória, o insulto evidente, a calúnia abjecta, o analfabetismo de palmatória. Segundo o Mendonça, no bairro só residia gente do piorio. Gente honrada, jamais, em tempo algum. Acaso fossem vivos os meus amigos Zeca Machado e Porfírio Silvério, gente ali nascida e criada, a coisa resultaria num asseado par de murros. Além do escoicinhante tolejo, o audaz Mendonça nem uma linha dedica ao facto de que parte importante da Imprensa portuguesa ali teve poiso, guarida, glória e grandeza. Ilustrando o armorial do ofício, gente como Rodrigues Sampaio, Norberto Lopes, Norberto de Araújo, Artur Portela, Artur Inez, Acúrcio Pereira, Manuela de Azevedo, Francisco Mata, Carlos Ferrão, José de Freitas, Urbano Carrasco, no Bairro Alto fizeram a parte mais estelar das suas vidas profissionais. Há trinta anos, um dos patrões de jornais era Francisco Pinto Balsemão, actual dono do «Expresso» e, então, proprietário do «Diário Popular» e ali com banca diária de jornalista. Não consta que praticasse a vadiagem ou que se dedicasse aos cantares do fado. Mendonça, impávido iletrado, ignora, ainda, que os maiores nomes da cultura portuguesa ali viram a luz do dia (Camilo Castelo Branco, por exemplo), ou ali moraram: Tolentino, Bocage, O’Neill. O texto é mal escrito, mal pensado, mal resolvido. Feito à matroca - imagem reflexa da mediocridade impante e impune que pelo País grassa.
Interrogo-me: Que jornalistas temos? Que raio de jornalismo é este?»
Baptista Bastos, Mediocridade impante e imune (Jornal de Negócios)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:59

...

por Tomás Vasques, em 20.05.06
A publicidade à volta da estreia do Código Da Vinci tem permitido várias confusões. Por favor, tenham cuidado, os evangelhos gnósticos não autorizam determinadas confusões, como por exemplo confundir a estrada da Beira com a beira da estrada; ou esta com esta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:22



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.