Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Desta vez não há sonhos para oferecer.

por Tomás Vasques, em 30.05.11

A presente campanha eleitoral estava viciada à partida. Não admira, pois, a pobreza com que se tem desenrolado, entre jantares de carne assada, feiras, romarias, comícios e o elogio do comezinho e da banalidade. Ao assinarem o memorando proposto pela troika, ao qual, aqui chegados, não podiam escapar, os principais partidos políticos, PS, PSD e CDS-PP, ficaram sem margem de manobra para inventar programas eleitorais ou soluções diferentes daquelas que se comprometeram a executar, arredando qualquer discussão de propostas de caminhos diferentes. O dito memorando é o programa de governo, seja quem for o primeiro-ministro, para os próximos três anos, pelo menos. E como este programa de governo não tem uma única boa notícia para os portugueses (pelo contrário, é um rosário de más notícias), os partidos que o subscreveram optaram por o referir o menos possível, por silenciar as medidas dolorosas que aí se exigem. No imaginário político, sobretudo nos países latinos, as campanhas eleitorais destinam-se a prometer sonhos, a apontar o caminho para o Paraíso na Terra, mesmo que isso só se consiga através de um cartão de crédito. Desta vez não há sonhos para oferecer. Quando muito, se a campanha eleitoral fosse a sério, apenas se poderia debater o alcance dos pesadelos que estão aí, ao virar do 5 de Junho. Mas, o que é natural, ninguém está interessado nisso, a não ser o PCP e o BE, partidos que apostam e acreditam no desmoronamento iminente do "sistema" em que vivemos, quer em Portugal, quer na Europa, e por isso, porque crêem religiosamente que a revolução está na ordem do dia, estimulam o descontentamento que as dificuldades provocam, a fim de apressar o dilúvio. Põem-se de fora de qualquer solução governativa, como se os portugueses apenas lhes interessassem como carne para revolução.

 

(Ler mais, no I)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.