Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| Imbróglios políticos.

por Tomás Vasques, em 01.03.09

Paulo Gorjão acalenta a esperança que a ambiguidade de Manuel Alegre ainda pode esticar mais meia dúzia de meses, ao contrário de Vasco Pulido Valente que não dá tanta corda a este «estado de alma» do poeta. Manuel Alegre, depois da experiência das últimas presidenciais, tomou as próximas como o combate político da sua vida, mas enleou-se na teia que foi tecendo: para tal precisa do eleitorado tradicional do PS que não lhe perdoa uma ruptura que afaste o PS do poder e, ao mesmo tempo, precisa do eleitorado do PCP e do BE, sobretudo deste. A ruptura com o PS é o fim do sonho presidencial. Resta-lhe ir «contentando» o eleitorado do PCP e do BE. As votações no Parlamento do Código do Trabalho ou sobre a avaliação dos professores fazem parte dessa «estratégia» de passar a mão pelo pêlo do eleitorado à esquerda do PS. A ausência do congresso, também. Para Manuel Alegre é irrelevante se com a sua acção provoca ou deixa de provocar «danos a Sócrates». Ele apenas quer gerir a imagem junto do eleitorado que o pode eleger presidente da República. É um jogo político em que as legislativas são apenas um instrumento das presidenciais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:01

||| Poesia. Abrir caminho.

por Tomás Vasques, em 29.10.08

Manuel Alegre, ontem, no DN, insiste no «seu» sonho: juntar no mesmo caldeirão socialistas, comunistas e trotskistas; unir a II, a III e a IV Internacional. Do cozinhado nascia a «Nova Esquerda». Para tanto bastava umas «rupturas»: que o PS abandonasse a sua matriz ideológica; que o PCP se despedisse para sempre da revolução russa e do modelo soviético; que o BE enterrasse definitivamente as suas raízes trotskistas e a sua cultura de contra-poder. Sem estas «rupturas» nunca mais haverá esquerda, avisa o poeta. E qual o rumo desta «nova convergência»? É simples: será «força transformadora da sociedade e criadora de soluções políticas alternativas.». Nem mais, nem menos. Esta «convergência» só pontualmente pode funcionar. Em eleições cujas consequências «unitárias» se esgotem no dia das eleições. Como por exemplo, para a Presidência da República.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:29



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker