Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| Diálogos absurdos.

por Tomás Vasques, em 29.01.08
- Então, finalmente despediram Correia de Campos.

- Um sinal de fraqueza de José Sócrates.

- Como? Todos os dias me dizias que Correia de Campos devia ser remodelado.

- Mas isso era só para hoje poder dizer que foi um acto de fraqueza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

||| Pela nossa saúde (4).

por Tomás Vasques, em 27.01.08
«Ainda ninguém provou que existem agora mais mortes porque fecharam urgências, ou mais partos em ambulâncias devido ao encerramento de maternidades; ainda não houve qualquer pedido para um debate sério e digno sobre a política da saúde em Portugal; ainda não se ouviu nenhuma proposta de contra-reforma daquela que o actual Governo pôs em marcha depois das conclusões do estudo encomendado a uma comissão especializada; nunca foi equacionado qualquer pacto de regime entre os dois partidos que alternam no poder, PS e PSD, sobre esta questão fundamental.·

Perante uma reforma mal explicada a quem dela deve usufruir e o aproveitamento das suas consequências, os episódios a que se assiste só desprestigiam o País e alimentam a descrença da população nos políticos e nas suas políticas. E o pior é que a cada mudança de Governo é preciso começar tudo de novo.»
Editorial do DN, 27.01.08.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:36

||| Pela nossa saúde (3).

por Tomás Vasques, em 26.01.08
João: tens razão, como eu não deixo de a ter. Ao ministro da Saúde compete-lhe pôr a funcionar as urgências, o SNS e sei lá que mais; À SIC, como a qualquer orgão de comunicação social, compete informar sobre os «casos» esdrúxulos que por aí vão acontecendo diariamente nas urgências, nas ambulâncias e por aí fora. Contudo, todas as competências têm limites. Manda, por isso, o bom senso que não se atribua à «política de saúde» de Correia de Campos (ou de quem quer que seja) a incompetência de um maqueiro, o desleixo de um bombeiro ou uma morte súbita à porta de um hospital sem urgências. Como também manda o bom senso que não aceite – enquanto consumidor – os critérios editoriais que integram «no contexto» de boas informações e boas notícias várias não-notícias, metendo alhos e bugalhos no mesmo saco. Porque é da nossa saúde que estamos a falar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:01

||| Pela nossa saúde (2)

por Tomás Vasques, em 26.01.08
«Ora, o que importa discutir é a racionalidade das medidas do Governo. E a verdade é que, tendo em conta as melhorias inegáveis nos índices de Saúde nos últimos 20 anos (todos os parâmetros o indicam), a evolução tecnológica dos meios de diagnóstico e de intervenção e a radical diferença da rede viária e das acessibilidades, só se entendia a manutenção dos blocos de partos e das urgências que até agora existiram como formas de não afrontar as populações de certas localidades e de aumentar a despesa na Saúde para níveis impossíveis de manter.

Ou seja, independentemente da sua total falta de jeito para a política, que é notória, o ministro Correia de Campos tem razão quanto ao fundo da questão»
Editorial do Expresso, 26.0108.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

||| Pela nossa saúde.

por Tomás Vasques, em 25.01.08

A SIC montou tenda na Ministério da Saúde e não larga o osso. Coisas que se prendem mais com a política (de informação) do que com a saúde. Neste momento (depois de já ter noticiado, pelo menos, 5 ou 6 casos, uns graves, outros de puro folclore, a jornalista com voz melodramática, quase a soluçar, como se descrevesse o cenário de milhares de mortos de um terramoto ou de um tsunami, dá-nos conta da história de um homem a sangrar de um tornozelo que esperou 50 minutos numa ambulância. A minha condescendência – talvez mesmo o meu sorriso – deve-se, provavelmente, ao facto de eu ter vivido um tempo em que (quase) não haviam ambulâncias. Mas, apesar do meu sorriso – sorriso idiota, dirão alguns - estou ao lado de todos os protestos por uma melhor assistência, sobretudo no interior do país e aos mais idosos. A minha dúvida sincera (quase existencial) é quem, a médio e longo prazo (para além da espuma dos dias) terá razão: Correia de Campos ou os seus críticos. Espero ter saúde para ver os resultados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:33



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker