Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| A frase.

por Tomás Vasques, em 25.02.09

«Tendo-se verificado que o livro reproduz uma obra de arte e não havendo fundamento para a respectiva apreensão, foi determinado o envio de uma comunicação ao Ministério Público, para considerar sem efeito o respectivo auto».

 

Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15

 

 

Numa feira do livro, em Braga, a PSP apreendeu um livro de pintura, cuja capa reproduz o famoso quadro de Gustave Courbet, a origem do mundo, pintado em 1866, e exposto no Museu D'Orsay em Paris. Acredito que a PSP não tenha disponibilidade orçamental para formar os seus agentes em história de arte, nem tal se mostra prioritário para o desempenho da função. No entanto, a formação nos princípios fundamentais da liberdade talvez não fosse má ideia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:35

||| A frase.

por Tomás Vasques, em 09.09.08

«Poucas eleições africanas terão sido disputadas com tanta liberdade, pluralismo e transparência como estas».

 

Vital Moreira, A vitória de Angola, Público, 09.09.08.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:32

||| Liberdade. Portugal dos Pequeninos.

por Tomás Vasques, em 31.08.08

O João Gonçalves dá-nos conta que na Biblioteca Municipal de Faro se bloqueia o acesso a determinados blogues. Censura é uma das palavras que me ocorre. Também me ocorre servilismo, ignorância, provincianismo. Mas, sobretudo, liberdade. A direcção da Biblioteca Municipal de Faro tem a cabeça mais próxima dos governos cubano ou chinês que, também, bloqueiam blogues e sites por razões que a liberdade expressão desconhece.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43

||| Amantes e liberdades.

por Tomás Vasques, em 29.08.08

Em nome da segurança, os «neurónios» governamentais inventaram mais uma restrição à intimidade e à vida privada de cada cidadão: o chip no automóvel. O Presidente da República, conivente, apenas recomenda que o decreto-lei deve assegurar as garantias de protecção da vida privada. Uma treta. Alguém acredita que, quem tiver acesso à informação, seja ministro, deste governo ou de outro, chefe de polícia ou secretária de qualquer coisa, não vai bisbilhotar por onde a respectiva mulher (ou o marido) anda e identificar o amante (ou a amante)? Porra, já tinha de deixar o telemóvel em casa, não usar cartões de crédito, nem vias verdes e, agora, ainda me obrigam a ir de táxi. É demais!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:40

Citações.

por Tomás Vasques, em 25.07.07

Excertos de Contra o medo, liberdade de Manuel Alegre, Público, 25.07.2007. Sublinhados meus.


«Não posso ficar calado perante alguns casos ultimamente vindos a público. Casos pontuais, dir-se-á. Mas que têm em comum a delação e a confusão entre lealdade e subserviência. Casos pontuais que, entretanto, começam a repetir-se. Não por acaso ou coincidência. Mas porque há um clima propício a comportamentos com raízes profundas na nossa história, desde os esbirros do Santo Ofício até aos bufos da PIDE. Casos pontuais em si mesmos inquietantes. E em que é tão condenável a denúncia como a conivência perante ela. Não vivemos em ditadura, nem sequer é legítimo falar de deriva autoritária. As instituições democráticas funcionam. Então porquê a sensação de que nem sempre convém dizer o que se pensa? Porquê o medo? De quem e de quê? Talvez os fantasmas estejam na própria sociedade e sejam fruto da inexistência de uma cultura de liberdade individual.
(…)
Quem se cala perante a delação e o abuso está a inculcar o medo. Está a mutilar a sua liberdade e a ameaçar a liberdade dos outros. Ora isso é o que nunca pode acontecer em democracia. E muito menos num partido como o PS, que sempre foi um partido de homens e mulheres livres, "o partido sem medo", como era designado em 1975. Um partido que nasceu na luta contra a ditadura e que, depois do 25 de Abril, não permitiu que os perseguidos se transformassem em perseguidores, mostrando ao mundo que era possível passar de uma ditadura para a democracia sem cair noutra ditadura de sinal contrário.
(…)O que não merece palmas é um certo estilo parecido com o que o PS criticou noutras maiorias. Nem a capacidade de decisão erigida num fim em si mesma, quase como uma ideologia. A tradição governamentalista continua a imperar em Portugal. Quando um partido vai para o Governo, este passa a mandar no partido, que, pouco a pouco, deixa de ter e manifestar opiniões próprias. A crítica é olhada com suspeita, o seguidismo transformado em virtude. Admito que a porta é estreita e que, nas circunstâncias actuais, as alternativas não são fáceis. Mas há uma questão em relação à qual o PS jamais poderá tergiversar: essa questão é a liberdade. E quem diz liberdade diz liberdades. Liberdade de informação, liberdade de expressão, liberdade de crítica, liberdade que, segundo um clássico, é sempre a liberdade de pensar de maneira diferente. Qualquer deriva nesta matéria seria para o PS um verdadeiro suicídio.
(…)Por isso, como em tempo de outros temores escreveu Mário Cesariny: "Entre nós e as palavras, o nosso dever falar." Agora e sempre contra o medo, pela liberdade
. »

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:27



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker