Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| A toque de caixa.

por Tomás Vasques, em 04.04.09

Em dois ou três dias, João Palma, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, fez uma excelente operação de marketing, a qual permitiu que se soubesse que António Cluny já não era o presidente do dito Sindicato. Mal se viu eleito, com quatrocentos e tal votos no bolso, entrou num desatino mediático, cirandando por rádios, jornais e televisões, a denunciar «a existência de pressões públicas e privadas que estavam a pôr em causa a serenidade dos magistrados do Ministério Público que têm o processo Freeport em mãos». Inebriado com o sucesso da «sua» operação de marketing, ao segundo dia, meteu a fasquia no topo: pediu uma audiência ao Presidente da República. Com carácter de urgência não fosse a coisa arrefecer. Afinal, as «pressões» não passaram de uma conversa de repasto. Mas, daí para cá, o eixo mediático da investigação centrou-se nas quezílias e atritos pessoais no Ministério Público. Comunicado e reuniões do Procurador-Geral sobre «pressões»; troca de «mimos» entre João Palma e Cândida de Almeida; reuniões do Conselho Superior do Ministério Público, onde Pinto Monteiro «coloca em xeque» Cândida de Almeida e se mostra «desagradado» com João Palma. Andam todos «agastados» uns com os outros, mas sobretudo andam todos a toque de caixa das agendas mediáticas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:49

||| O «caso Fátima Felgueiras».

por Tomás Vasques, em 08.11.08

Podia estar sossegado, sem dizer uma palavra ou escrever uma linha, não só porque ninguém me encomendou o sermão, mas também porque não conheço a senhora Fátima Felgueiras de lado nenhum. Nem sequer conheço Felgueiras, a cidade. Seria uma atitude «politicamente correcta» deixar passar em claro as alarvices que por aí proliferam sobre o assunto, tipo «crime sem castigo» ou «muita água benta na sentença» A senhora já foi condenada no «tribunal popular» e «linchada» na praça pública. Por isso, a sentença judicial de um Tribunal de 1ª instância, ainda sem trânsito em julgado, que a absolve da acusação de dezenas de crimes, é irrelevante para os «moralistas» de serviço. Neste tempo acelerado em que vivemos, os «tribunais populares» – tribunais de arruaça mediática, de venda de «sangue», em que a acusação dispensa a prova e a aplicação do direito, como na Inquisição – substituem os tribunais judiciais, pilares dos Estados de Direito. A praça estava apinhada, a fogueira crepitava e, no último momento, parece que lhes retiraram o «condenado». Fátima Felgueiras foi condenada, em primeira instância, ainda sem trânsito em julgado – repito – pelo seguinte (cito o Público):

 

 «Ao fim de quase 120 sessões o colectivo acabou por reduzir a responsabilidade criminal de Fátima Felgueiras a três casos: a não devolução ao município de ajudas de custos de uma viagem (no valor de 170 euros, nota minha), o uso de uma viatura oficial do município para uma iniciativa do PS (a senhora deslocou-se no carro da câmara a um comício ou coisa do género, nota minha) e a intervenção no loteamento do Bustelo. Neste último caso, recorde-se, o procurador Pinto Bronze tinha pedido a absolvição da autarca


Mais de 3 anos de prisão, apesar da suspensão da pena, pela não devolução de 170 euros, ir no carro da Câmara a um comício do PS e por intervenção num loteamento, matéria sobre a qual o próprio procurador pediu a absolvição. É tudo!

 

Em todo este circo, o importante é que, durante anos, o «caso Fátima Felgueiras» vendeu jornais e deu audiências televisivas. Agora, no momento da sentença, o que dava jeito era a senhora sair algemada do Tribunal directamente para a prisão. Estou a «ver» as imagens da cena e as entrevistas de rua. A «informação» em directo, enquanto nos estúdios se multiplicavam os «comentadores», com Moita Flores a saltitar de canal em canal.

O Tribunal não lhes fez a vontade.

Paciência!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:51



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker