Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| Provincianos, disse ela.

por Tomás Vasques, em 06.02.09

O Paulo – com razão – diz que é impensável, mas uma câmara de televisão ou um microfone à frente ainda faz perder a cabeça a muita gente. Desde os intervenientes em fóruns radiofónicos às vendedoras do Bolhão. Necessidades de afirmação? Carências de protagonismo? Provincianismo? Uma questão cultural? Não sei, mas parece importante dizer: «Pai sou Ministro», «Mãe apareci na televisão». Dar nas vistas parecer ser uma forma de realização pessoal. Mas, aos responsáveis pela investigação dos casos mais delicados exige-se recato, trabalho, resultados e descrição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

||| Justiça maltratada.

por Tomás Vasques, em 20.09.08

«Santana Lopes vai ser constituído arguido» – oiço na SIC, como se fosse uma notícia. «Vai ser…»: isto significa que ainda não foi; e que até pode não vir a ser. Aliás, já há dois anos, pelo menos, que é conhecido o inquérito a que o DN hoje se refere. Se a notícia é «nova» e tem fundamento: - vai ser –, só pode sair dos instrutores e investigadores do processo, daqueles que devem zelar pelo segredo de justiça. De qualquer modo, o que se passou no «caso Casa Pia», nas suas diversas «vertentes«, ainda não foi suficiente para que a «justiça» deixe de  ser usada em «assassinatos» políticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:59

||| O sol quando nasce é para todos.

por Tomás Vasques, em 18.09.08

Miguel Abrantes não compreende que ao desvalorizar a decisão do Tribunal da Relação do Porto, o qual condenou o Estado a pagar uma indemnização a Pinto da Costa por prisão ilegal, está a desvalorizar a decisão do tribunal que condenou o Estado, pelos mesmos motivos, a pagar uma indemnização a Paulo Pedroso? O que está em causa, em primeira linha, não é a proporcionalidade: os dias ou as horas de prisão ou os montantes das indemnizações, mas os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. De todos os cidadãos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:57

|||Justiça. Limar as unhas.

por Tomás Vasques, em 15.09.08

Há dois anos fui notificado, como testemunha, num processo de inquérito penal, para prestar declarações. No turbilhão do dia a dia, esqueci-me completamente e não compareci, nem dei cavaco. Passado uns dias, três ou quatro, às 9 da manhã, tocou a campainha da porta. Quem é? – Perguntei. O meu interlocutor, depois de perguntar o meu nome, respondeu: é o agente fulano de tal da Polícia Judiciária. E? – Perguntei. A resposta foi clara: temos um mandato de detenção para o levar ao DIAP para prestar declarações. De imediato percebi a situação: o Juiz não tinha gostado – e bem – do meu esquecimento e do meu silêncio e usou os poderes que a lei lhe confere para me espicaçar a memória. Tudo certo, mas a situação, para mim, era melindrosa. O que iriam pensar os meus vizinhos, incluindo os da farmácia em frente ou da pastelaria ao lado (a minha rua é um bairro) quando me vissem sair a porta do prédio e entrar num carro da polícia que me aguardava? Lá se ia a minha reputação de «senhor engenheiro» (Não sou engenheiro, mas deram-lhe para ali e eu nunca contestei). Transmiti a minha preocupação ao senhor agente da PJ, sugerindo que podia ir no meu carro atrás dele. Ele, compreensivo, respondeu-me: - tem de ir connosco, mas não se preocupe, estamos à civil e num carro civil. Desci as escadas e lá fomos até à rua Gomes Freire. Prestei declarações e regressei de táxi. Isto passou-se com um cidadão anónimo. Mas, o normal, neste país, e nos últimos anos, quando se trata de alguém conhecido, os agentes da Judiciária, quando cumprem instruções deste tipo, aparecem com todos os canais de televisão, mais os principais jornais. E quando o estatuto não é o de mera testemunha, mas de arguido, a parada mediática dobra, chegando ao ponto de desprezar o facto de o cidadão poder ser notificado para comparecer voluntariamente no Tribunal. É preciso circo para alimentar a comunicação social. A decisão do Tribunal da Relação do Porto que condena o Estado ao pagamento de uma indemnização por detenção ilegal de Pinto da Costa é uma boa notícia. Trata-se, apenas, de limar as unhas à sanha mediática que desrespeita os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. De todos os cidadãos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43

||| Justiça.

por Tomás Vasques, em 03.09.08

Todos nos lembramos da forma hollywoodesca como o juiz Teixeira entrou pela Assembleia da República adentro, em Maio de 2003, acompanhado por um canal de televisão, para pedir o levantamento da imunidade parlamentar de Paulo Pedroso, deputado socialista, e notificá-lo para prestar declarações. Nesse dia, Paulo Pedroso foi apanhado por um furacão: acusado, julgado e condenado, dando entrada de imediato nos calaboiços em prisão preventiva. Foi um dos dias mais negros da justiça criminal em Portugal, só possível com a exploração dos sentimentos populares contra o tipo de crime em investigação. Sabemos que os Tribunais Superiores, quase cinco meses depois, revogaram a decisão do Juiz Teixeira, tal como decidiram não haver matéria acusatória para levar Paulo Pedroso a julgamento. Ontem foi conhecida a sentença de um Tribunal que atribui uma indemnização a Paulo Pedroso por considerar um «erro grosseiro» a decisão do Juiz Teixeira. Os contornos do que se passou naquele dia Maio de 2003 estão hoje, passados 5 anos, bem definidos e foram os Tribunais Superiores que sucessivamente vieram dizer que o juiz Teixeira actuou fora da lei. Nem as decisões judiciais que repuseram a justiça, nem a indemnização compensam os prejuízos de Paulo Pedroso, mas restituem publicamente a dignidade a uma vítima do sistema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:17

||| Arquivado.

por Tomás Vasques, em 21.07.08

O «caso» Maddie chegou hoje ao fim, um ano e pouco depois do desaparecimento da criança, com o desfecho esperado – o arquivamento –, pese embora as vicissitudes mediáticas e a investigação pendular, sem falar nessa diversão que dá pelo nome de segredo de justiça e que alimentou, a peso de ouro, jornais e televisões. A comunicação social, cada vez mais, se parece com as agências funerárias: vivem das desgraças alheias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:28



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker