Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| Previsível.

por Tomás Vasques, em 06.01.09

Como era previsível, a «revolução grega» está a evoluir para formas «superiores» de luta. A esquerda eclética pós-moderna também.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:48

 

Nuno Ramos de Almeida, no seu erudito saber, cita Mike Davis, um historiador «marxista» com muito «interesse», para nos explicar como a «fagulha grega» pode incendiar a pradaria. Mas, com todo o respeito, nem um nem outro têm razão. «A revolução grega» e o «regresso a Marx», ultimamente tão propalados, estão intimamente ligados. Ou seja, não há nenhuma «situação revolucionária» na Grécia (mas tão só desacatos politicamente inconsequentes, os quais não resolvem um único dos problemas que os sustentam, antes pelo contrário – é como meter areia na vaselina); como não há nenhum «regresso a Marx», porque Marx morreu (25 anos depois da 1ª edição do Manifesto do Partido Comunista já Marx o considerava envelhecido, ultrapassado pelos acontecimentos. Então hoje, passados 150 anos, o que ele diria de toda a sua obra e, sobretudo, da sua «aplicação»?) O único marxista que resistiu à morte de Marx foi Engels. O resto tem pouco ou nada a ver com Marx. É leninismo, trotskismo, estalinismo, maoismo, castrismo. É só ver como a defunta URSS se desenvolveu e acabou ou olhar para Cuba, Coreia ou China para perceber que o marxismo morreu com Engels. A ressurreição do passado não é exactamente uma «teoria» marxista (18 de Brumário?). O que se passa hoje, na Grécia, em Portugal ou em qualquer outro país é uma situação típica, mil vezes repetida no último século e meio, em situações como a que vivemos: representantes da classe média – a pequena burguesia –, radicalizados pelas dificuldades que as crises do capitalismo lhes provocam, excitam-se facilmente ao menor sinal de contestação. São impacientes, desorganizados. Têm orgasmos múltiplos. Onde está Marx nestas alucinações? Onde está a revolução? Na Grécia? Ou no Afeganistão: não esquecer que os talibans combatem o imperialismo norte-americano. E quem vai tomar o poder na Grécia? O «proletariado» ou a minha prima Hermenegilda que em tempos foi do MRPP? Uma farsa – diria Marx.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03

||| Estou grego por saber novidades.

por Tomás Vasques, em 22.12.08
Estive «fora» dois ou tês dias. Há novidades dos putos que encabeçaram a «revolução
 grega» ou aquilo acabou tudo em águas de bacalhau? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

||| Tragédia grega à portuguesa.

por Tomás Vasques, em 19.12.08
Há por aí uma malta que tem orgasmos múltiplos mal vê uma imagem de uma centena
 de estudantes concentrados numa rua de Atenas. Se essa malta voltar a ler Platão 
percebe que a vaselina tem areia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:25

||| Grécia. Benfica. A minha prima.

por Tomás Vasques, em 14.12.08

 

  

 

 

A minha prima Hermenegilda é uma mulher desapaixonada, ao ponto de se  lhe azedar os dias e se lhe avinagrar cada uma das palavras. Apesar de estar a roçar os cinquenta anos – diz ela, mas pelas minhas contas deve estar muito perto dos sessenta –, ainda é uma mulher vistosa: as mamas generosas, apesar de descaídas, as pernas esguias, o rabo arrebitado, sobretudo quando enverga jeans, e o ar blasé conferem-lhe um charme entre o balzaquiano tardio e uma «mulher da esquerda radical» à antiga (digo à antiga para não se confundir com o estereotipo Joana Amaral Dias). A vida dela está feita num fanico – a sua infelicidade interiorizada como destino é projectada nos demais cidadãos deste país. O resultado é que odeia tudo o que dá felicidades aos outros: futebol, férias, centros comerciais e por aí fora. A minha prima tem um percurso de vida à medida do azedume que lhe ferve na boca. Frequentou a faculdade de letras, mas não acabou o curso – dedicou-se ao teatro. Foi sol de pouca dura, apenas serviu de desculpa para os insucessos universitários. Naqueles anos, de 69 a 74, a política não estava na lista das suas preferências. Mantinha com ela, nessa altura, conversas de horas a fio sobre a necessidade da luta contra a ditadura e a guerra colonial, mas ela não estava para aí virada – chegou ao desplante de, em 1969, furar uma greve universitária, quando os trabalhadores da Carris e da Lisnave enfrentavam a polícia de choque. Depois de Abril de 74, ainda mal refeita dos acontecimentos, adere ao MRPP e toma-se por «mulher do povo» – uma nova padeira de Aljubarrota contra o capitalismo, o imperialismo e o revisionismo, imitando no que podia Maria José Morgado. E por aí andou, em devaneio «revolucionário», um ou dois anos, citando Mao Tsé Tung a torto e a direito. O seu dia a dia, mantinha-se ondulante: não sabia se queria fazer teatro, se queria acabar o curso de Letras, se queria ser apenas dona de casa, dependia dos maridos que foi coleccionando. Uma coisa é certa: nunca fez nada na vida que se apalpasse e, apesar da sua «independência», foi sempre vivendo a expensas dos maridos. Mas, a vida da Hermenegilda não tem, para mim, a menor importância, desde que não me atazane nos momentos importantes da minha vida, como, por exemplo, ontem à noite, quando a Hermenegilda me ligou, durante a marcação dos penaltis, no jogo Leixões-Benfica. Na sua voz de falsete, implacável, dispara: «Tens acompanhado os acontecimentos na Grécia?». Respondo: «Hermenegilda estou a ver um jogo de futebol». Ela retorquiu: «A revolução alastra em toda a Europa, na França, na Espanha, na Dinamarca e tu, degenerado, a ver um jogo de futebol». Naquele momento, o guarda-redes do Leixões defendeu o penalti e eliminou o Benfica. Em vez de exteriorizar o meu contentamento, apenas disse: «Há duas horas atrás percorri as ruas da cidade e não vi ninguém. Só chuva e frio». Ela respondeu-me: «Não metas a cabeça debaixo da areia. O capitalismo está a desmoronar-se e tu sabes bem que é verdade». Respondi: «Minha querida prima, estou preparado para viver numa sociedade socialista, desde que me deixem ver, de vez em quando, um jogo de futebol». A sua voz de falsete feriu-me os tímpanos: «Estás cada vez mais cínico. Pensas como um contra-revolucionário. Não te ligo mais». Eu sei que não é verdade. Ela vai ligar quando eu estiver a ver o próximo jogo de futebol.

 

 *post readaptado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30

||| Impressões.

por Tomás Vasques, em 14.12.08

É impressão minha ou o radicalismo pequeno-burguês luso está a ficar grego?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:17

«A Grécia é nestes dias uma vitrina dramática da crise mundial. O seu povo, assumindo-se como sujeito, confirma com o seu exemplo, que é pelos caminhos da luta de massas e não através dos parlamentos controlados pelos partidos das classes dominantes que o capitalismo estremece, recua e pode ser derrotado».

 

José Paulo Gascão, Miguel Urbano Rodrigues, Rui Namorado Rosa, in Diário.info

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker