Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

 

 

Muitos dos escritores cubanos, que lutaram pela democracia durante a ditadura de Baptista e apoiaram a «revolução cubana» e Fidel Castro, começaram a criticar o castrismo e a ser perseguidos meia dúzia de anos após a revolução. José Lezama Lima, Heberto Padilla, entre muitos outros. O dramaturgo e poeta Virgílio Piñera, em 1962, já indiciava o seu descontentamento. No poema Nunca los dejaré, escreve: y gritaré com esse amor que puede/ gritar su nombre hacia los cuatro vientos,/lo que el pueblo dice en cada instante:/«me están matando pero estoy gozando». Neste período, entre 1959 e 1968, ainda não era claro para a maioria dos cubanos o rumo soviético da revolução cubana. Castro, só se apropria do Partido Comunista de Cuba e o refunda, em 1965 (o PC de Cuba tinha sido fundado em 1920). Quanto aos comunistas cubanos que o antecederam, Castro não tem contemplações: «o Komitern não era uma Internacional e sim uma instituição de comunistas muito leais, muito sacrificados, que sofreram consequências muito duras devido aos métodos estalinistas» (Página 65). E acrescenta: «O Partido Comunista de Cuba foi obrigado a ser aliado de um governo sangrento, repressivo e corrupto como o de Baptista (…) chegaram a ter ministros no governo de Baptista». Quando cantam loas à «revolução cubana», os comunistas portugueses varrem para debaixo do tapete o que não lhes interessa que se conheça.

 

(continua)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:49

 

Fidel Castro seguiu, a partir da crise dos mísseis, em 1962, o guião «marxista-leninista» soviético (apesar de algumas hesitações internas iniciais, sobretudo alimentadas por Guevara, quanto ao conflito sino-soviético). A posição castrista de apoio à invasão da Checoslováquia marca, definitivamente, no plano interno, a consolidação da dependência soviética. O caso da prisão e das humilhações a que sujeitaram o poeta Heberto Padilla, em 1971, o que gerou um movimento internacional de condenação de Castro, encabeçado por Jean-Paul Sartre, é um dos símbolos da repressão estalinista desse período. Fidel Castro, na sua longa entrevista a Ignacio Ramonet, desenvolve o conceito «marxista-leninista» sobre um tema incómodo para os ditadores – as eleições. Diz Fidel Castro: «Não há que medir as nossas eleições pelo número de votos. Eu meço-as pela profundidade dos sentimentos, pelo calor – tenho estado a ver tudo isto durante muitos anos. Nunca vi os rostos tão cheios de esperança, com tanto orgulho.» (Página 560). O marxismo-leninismo assumiu, em Castro, o seu amadurecimento tropical. No «socialismo» cubano, o número de votos não conta. O que conta é a «profundidade dos sentimentos» avaliado, durante anos, pelo ditador. É assim em todas as ditaduras.

 

(continua)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:48

 

 

Fidel Castro, em 31 de Julho de 2006, por motivos de doença, passou o testemunho da direcção do Estado e do Partido Comunista Cubano a seu irmão, Raul. Uma sucessão monárquica, no quadro do «socialismo», que evidência o cunho pessoal da ditadura castrista. A «revolução cubana», em 50 anos, não produziu dirigentes comunistas capazes de a dirigir após a retirada do velho ditador das Caraíbas. Para manter o rumo «revolucionário», Fidel Castro só encontrou fidelidade na família: no irmão com 75 anos na altura. Se Pinochet, por motivo de doença, tivesse entregue o «poder» a um irmão, o que diriam aqueles que, ainda hoje, nos querem fazer crer que Cuba é um «país socialista».

Em 2003, com correcções em 2004 e 2005, Fidel Castro deu uma longa entrevista a Ignacio Ramonet, director do Le Monde Diplomatique e um dos promotores do Fórum Social Mundial. Em Dezembro de 2006, a editora Campo de Letras publicou, em português, Fidel Castro, biografia a duas vozes. Nas mais de 600 páginas que transmitem 100 horas de conversa, Castro responde a tudo o que há para responder: desde José Martí até à sua sucessão (que ainda não tinha acontecido), passando pelo futuro do «socialismo» depois da queda do muro de Berlim. É a síntese da vida de um homem e de uma «revolução» feita a pensar na posteridade. Nas palavras de Castro não há uma centelha de lucidez política; há apenas dogmas, fé e um total alheamento da realidade cubana e mundial.

 

(continua)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:12



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker