Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| Aplaudir de olhos fechados.

por Tomás Vasques, em 02.03.09

 

O Presidente da República vetou a «Lei do pluralismo e da não concentração dos meios de comunicação social». De imediato, o «pessoal do costume», aquele mais arrumado à direita, veio aplaudir o veto de olhos fechados. Pelos vistos, não deve ter lido os fundamentos que sustentam o veto. Sobretudo, os fundamentos «ideológicos». E estes resumem-se ao seguinte:

1. Não se justifica legislar sobre esta matéria, neste momento, porque não parece existir entre nós um défice de pluralismo da comunicação social (lá se vai a tese do «situacionismo» na comunicação social pelo cano do esgoto abaixo»;

2. É questionável que se haja pretendido introduzir uma alteração deste alcance e desta profundidade no sector da comunicação social num momento em que a União Europeia se encontra a estudar e debater esta problemática (lá se vai a tese anti-Tratado de Lisboa pelo cano de esgoto abaixo);

3. Deve ainda ser ponderada a restrição ao acesso a actividades de comunicação social por parte de entidades públicas. Importa ter presente que, nos termos da Constituição, não devem existir sectores de actividade económica vedados ao Estado e demais entidades públicas. Não é de excluir liminarmente a possibilidade de, à semelhança do que ocorreu noutros sectores, o Estado ou outras entidades públicas tenham a necessidade imperiosa de intervir neste domínio da vida económica e empresarial (lá se vai a tese da mínima intervenção do Estado na comunicação social pelo cano de esgoto abaixo).

 

Quanto ao resto, são questões de técnica: ou quanto aos instrumentos de aferição que irão medir a circulação média por edição; ou quanto a expressões de técnica jurídica e conceitos indeterminados (o «reconhecido no meio», como difícil de precisar provocando equívocos e atribuindo o «poder aos privados» de decidir).

 

Em conclusão: há pluralismo na comunicação social, pelo que a actual lei é dispensável; enquanto a «Europa» não decidir o que devemos fazer, o melhor é estarmos sossegados; não limitem o Estado na sua intervenção na comunicação social.

 

A Direita está órfã; até o Presidente da República que ajudaram a eleger se passou para o «socialismo».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:48

||| Justiça maltratada.

por Tomás Vasques, em 20.09.08

«Santana Lopes vai ser constituído arguido» – oiço na SIC, como se fosse uma notícia. «Vai ser…»: isto significa que ainda não foi; e que até pode não vir a ser. Aliás, já há dois anos, pelo menos, que é conhecido o inquérito a que o DN hoje se refere. Se a notícia é «nova» e tem fundamento: - vai ser –, só pode sair dos instrutores e investigadores do processo, daqueles que devem zelar pelo segredo de justiça. De qualquer modo, o que se passou no «caso Casa Pia», nas suas diversas «vertentes«, ainda não foi suficiente para que a «justiça» deixe de  ser usada em «assassinatos» políticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:59

||| A frase.

por Tomás Vasques, em 03.08.08

«Quando um jornal perde o respeito dos seus leitores, passa a ser uma questão de tempo saber quando desaparecerá

 

José Manuel Fernandes, Editorial do Público, 02.08.2008,

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:02

||| Arquivado.

por Tomás Vasques, em 21.07.08

O «caso» Maddie chegou hoje ao fim, um ano e pouco depois do desaparecimento da criança, com o desfecho esperado – o arquivamento –, pese embora as vicissitudes mediáticas e a investigação pendular, sem falar nessa diversão que dá pelo nome de segredo de justiça e que alimentou, a peso de ouro, jornais e televisões. A comunicação social, cada vez mais, se parece com as agências funerárias: vivem das desgraças alheias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:28



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker