Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


||| As armadilhas da história.

por Tomás Vasques, em 23.08.08

A história política do século XX conheceu momentos grandiloquentes e únicos, onde se travaram combates ideológicos e políticos no terreno, minuto a minuto, como nos dias da revolução francesa. Destaco, entre todos, a revolução de 1917 na Rússia (sem esquecer o ensaio geral em 1905); 1968 na Checoslováquia; e 1974, em Portugal. Cada um desses momentos teve, naturalmente, as suas circunstâncias e os seus protagonistas. Em 1917, na Rússia, os protagonistas foram Kerensky, pelos mencheviques, e Lenine, pelos bolcheviques. Entre Fevereiro e Outubro desse ano, cada minuto contou para o desfecho final. Lenine e os bolcheviques, em Outubro, tomaram o poder e, com essa vitória, iniciaram a «construção do socialismo». A Duma foi substituída pelos Sovietes, e a «democracia burguesa» pela «ditadura do proletariado». Hoje sabemos como essa primeira experiência evoluiu e como acabou, mas aquela meia dúzia de meses, em 1917, marcaram o século XX. Quase 60 anos depois, em Portugal, os bolcheviques, chefiados por Álvaro Cunhal, e os mencheviques, com Mário Soares à cabeça, defrontaram-se quase nos mesmos termos. Desta vez, durante mais de um ano, entre Abril de 1974 e Novembro de 1975 repetiu-se o combate ideológico e político no terreno, minuto a minuto. O cerne da disputa estava no mesmo lugar: «Democracia burguesa» ou «ditadura do proletariado». Álvaro Cunhal não teve a ousadia, nem a facúndia de Lenine nos momentos decisivos. Amedrontou-se e foi derrotado (a entrevista de Cunhal a Oriana Fallaci, vista à distância, é um dos flagrantes testemunhos da falta de visão do líder comunista). Nem Mário Soares se dispôs a fazer o papel de Kerensky. Hoje sabemos como a primeira experiência de «construção do socialismo» debaixo da «ditadura do proletariado» evoluiu e como acabou. Mas, não sabemos, nem nunca saberemos, como toda esta história se desenvolveria na URSS, apesar da Primavera de Praga, caso os bolcheviques, chefiado por Cunhal, tivessem ganho o combate e, Portugal, seguisse a experiência da «construção do socialismo» debaixo da «ditadura do proletariado», entalando a Europa numa tenaz.

 

PS: Esta lenga-lenga (escrita há 8 anos como nota de leitura a um livro sobre a revolção russa) assemelha-se a conversa de arqueólogo, mas não é por acaso que, ainda hoje, mal descobrimos umas pedras romanas as preservamos como património histórico. O património ideológico e político também deve ser preservado para que o futuro não nos reserve surpresas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:56



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker