Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Citações.

por Tomás Vasques, em 31.08.09

 

A política do deita-fora., Manuel Carvalho, editorial do Público, 31 de Agosto de 2009:

 

 

Durante quatro anos, o Governo encomendou estudos, pediu pareceres, envolveu juristas e especialistas, fez decretos-lei e resoluções, decretos regulamentares e despachos, teve de suportar a pressão de greves gigantescas, demissões, reformas antecipadas em sinal de protesto, foi obrigado a recuos e a cedência, mas, no final, conseguiu manter o esqueleto da sua polémica avaliação dos professores. Durante quase uma década, vários Governos solicitaram trajectos a equipas de sábios, pareceres sobre soluções tecnológicas, estudos de análise de custo-benefício, negociaram financiamentos nacionais e europeus e quando se chega a hora de celebrar os primeiros concursos para o comboio de alta velocidade tudo pode entrar em compasso de espera porque um dos partidos que disputam a vitória nas próximas eleições quer suspender o processo.


Algumas propostas do programa do PSD mostram como a falta de consensos em questões básicas como as infra-estruturas ou as políticas de educação se transformaram numa fonte de desperdício. O reviralho, velho emblema de conflito e de turbulência política, está vivo e recomenda-se. (…) Não se trata sequer de discutir a legitimidade de um partido, neste caso o PSD, se apresentar aos eleitores com as propostas que considera fundamentais ou com as renúncias que considera imperiosas para a solução dos problemas do país. Infelizmente, o que acontece nestas eleições limita-se a repetir dramas antigos. O que nos revela a impossibilidade de o país conceber e aplicar uma visão estratégica a longo prazo; e o que nos prova como os principais partidos do arco do poder têm dificuldades em separar o interesse nacional do sectarismo grupal.


Não se trata, portanto, de dizer que a avaliação dos professores do actual Governo é um modelo de virtudes e a proposta do PSD que a suspenderá em favor de um ainda vago modelo de avaliação externo um desastre. Ou vice-versa. O que temos de reconhecer é que, bem ou mal, ganhando ou perdendo a educação pública, se o PSD ganhar as eleições, o trabalho de centenas ou milhares de técnicos, o destino de milhões de euros serão pura e simplesmente varridos para o saco do lixo. O que temos de considerar é que, eleições após eleições, os partidos vencedores se preocupam mais em refundar do que em aproveitar trabalho feito. (…)

 

 O que se recomenda é que, se for eleita, o faça sem cair no erro de anteriores Governos que se acharam imbuídos da missão de refazer o mundo. Podem melhorar-se os projectos e acertar-se prioridades, mas um Estado que não garante a permanência das suas opções só pode ser um Estado falhado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:34




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker