Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

 

 

 

Caro Pedro: sem querer prolongar esta nossa conversa, sempre direi que se o problema é mesmo de alternativa – o que é verdade –, a questão coloca-se, do ponto de vista estrutural e não conjuntural, à direita e não à esquerda. Penso que é a direita que precisa de se refundar. É à direita que deveria aparecer algo de novo. O CDS/PP é um brinquedo de Paulo Portas e, por isso, politicamente inócuo. Onde está um partido democrata-cristão? Não aparece ninguém que o constitua? E o PSD está nas lonas: programaticamente empobrecido, desgastado por guerras intestinas, sem líder forte e carismático. Sem saber se é social-democrata ou partido popular à espanhola, albergando pessoas tão distintas e com ódios de estimação, como Pacheco Pereira ou Santana Lopes. Ao contrário, à esquerda existe um partido comunista forte (forte enquanto partido na tradição leninista, disciplinado, coeso, um corpo de revolucionários profissionais; sólido na sua influência social, sindical e, direi mesmo, eleitoral; e com doutrina, ideologia, programa, estratégia e organização) que oferece aos portugueses o modelo do «socialismo» à moda soviética. Existe um partido socialista forte – um partido de tradição social-democrata, na linha da Internacional Socialista, tal como o PSOE, o PS francês, os Trabalhistas, o SPD e por aí fora, que em cada país, e em cada momento, no governo ou na oposição, defende políticas mais sociais ou menos sociais, mais Estado «estratega» ou menos Estado, consoante há ou não riqueza para distribuir ou conforme a «personalidade política» do seu líder. Zapatero não é igual a Filipe González, nem Tony Blair a Gordon Brown. Nós por cá, para ampliar o leque de opções dos portugueses à esquerda, ainda temos o bloco de esquerda, com um peso eleitoral e mediático significativo e, provavelmente, em crescimento – uma frente de pequenos partidos de extrema-esquerda que, pelas suas indefinições ideológicas e programáticas, medeia entre sociais-democratas de esquerda e comunistas de direita conforme o que é mais oportuno. O leque de opções à esquerda é, pois, diversificado. É neste contexto, acrescido pela situação grave em que vivemos, e cujas consequências ainda não estão todas à vista, que avalio o papel de Manuel Alegre. Ele representa um papel importantíssimo nos «equilíbrios» dentro do partido socialista e só assim não será se Manuel Alegre considerar, tal como o PCP e o BE, que o PS é um partido de direita, o que não acredito. Mas não acrescenta nada à esquerda, sobretudo à esquerda democrática, acasalando-se politicamente com a extrema-esquerda que vê no PS o seu inimigo principal ou constituindo um novo partido – um «partido socialista de esquerda» que se iria alimentar – e em que medida não sabemos – da «ala esquerda», partidária e eleitoral, do PS, do PCP e do BE. A manta não estica. Mau para os portugueses e para a democracia não é o partido socialista ter que governar com maioria relativa, se for esse o caso, mas a direita governar, no estado em que se encontra, por via da fragmentação do PS ou a alternativa surgir pela porta da extrema-esquerda, do PCP e dos «socialistas de esquerda». Há quem fale em ideias e ideais para justificar «alternativas» mas, pergunto: será que Álvaro de Campos tinha razão?: Não tenho ideais, mas não os tem ninguém. / Quem diz que os tem é como eu, mas mente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:56




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker