Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| Contra o fundamentalismo.

por Tomás Vasques, em 22.01.08




«Portugal é um país amável, de brandos costumes, como é habitual dizer-se. É uma das suas virtudes. Mas parece estar a tornar-se, aos poucos, num país fundamentalista. Sinal dos tempos. A recente lei antitabaco pode vir a ser um exemplo disso, mas não o único.



Não sou fumador. A não ser eventual, "se me dão", quando "o Rei faz anos", se estou particularmente bem-disposto, após um bom almoço com amigos fumadores...



Penso, aliás, que o tabaco é um mal, apesar do exemplo de Churchill, com o seu eterno charuto, de Simenon, inseparável do cachimbo, e de Camus ou de Humphrey Bogart, com os seus eternos cigarros...



Houve um tempo em que fumar era moda. As senhoras que o digam: começaram a fumar, habitualmente, no princípio do século XX. Hoje é uma actividade reprovável, senão um acto de malvadez. Passou-se do oitenta a zero, de um dia para o outro. Sem pedagogia, sem ouvir os interessados, fumadores activos e passivos, sem preparação prévia, dos estabelecimentos públicos, por decreto e por moda política da chamada "boa governação". Tenho dúvidas que resulte. Lembro-me do que sucedeu com o abolicionismo do álcool, em Chicago, nos anos trinta...



Depois criou-se a ASAE, organismo para fiscalização e protecção dos cidadãos, quanto aos artigos que consomem. Uma boa iniciativa. Claro, se houver bom senso e as intervenções públicas não se tornarem excessivas. Se a ASAE for vista como um organismo persecutório, que mete medo e estimula os bufos (um velho estigma nacional desde os tempos da Inquisição), então, não. Ao serviço das "grandes superfícies" com produtos estandardizados - sem gosto e inodoros - dos insuportáveis McDonald's, para atacar o pequeno comércio personalizado, também não. Seria acabar com as produções caseiras: o pão saloio, os bons frutos e legumes de produção individual, o mel, a flor do sal, o peixe pescado à linha e consumido no dia, em pequenas tascas, os doces locais... Acabar com tudo isso seria a ASAE, imprudentemente, destruir o que faz a nossa diferença e tornar Portugal, de norte a sul, um país apetecido e amado. Pelos estrangeiros sobretudo...»

Mário Soares , DN, 22.01.08

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:52




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker