Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Memórias.

por Tomás Vasques, em 14.09.10

«Camilo para o José de Azevedo, mostrando-lhe o filho, que já estava no primeiro período de loucura: - Veja esse desgraçado…Era um rapaz inteligente… – E depois de uma pausa dolorosa: - E tudo isto porquê, sobrinho? Por ter lido as obras do Teófilo Braga.»

 

Raul Brandão, Memórias, 1 de Maio de 1910 (Edição Perspectivas & Realidades).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13

Endividamento vs desemprego.

por Tomás Vasques, em 13.09.10

Uns dizem-nos que devemos poupar senão o endividamento extermo leva-nos à falência; outros dizem-nos que a poupança leva à estagnação da economia e ao aumento do desemprego. Os portugueses parecem mais inclinados para aderir a esta segunda tese: No primeiro semestre deste ano foram vendidos quase 3 milhões de telemóveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:13

Elementar.

por Tomás Vasques, em 13.09.10

Numa conferência sobre emprego, em Oslo, Dominique Strauss-Kahn, director-geral do FMI veio lembrar, a quem se tenha esquecido, que a crise «ainda não terminou». Depois de informar que desde o começo da crise, há 3 anos, existem mais 30 milhões de desempregados, rematou: «Esta crise não é como as outras. As regras do jogo mudaram. Esta prova de fogo não se resolve com as velhas receitas». Elementar, meu caro Watson.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:53

A ler.

por Tomás Vasques, em 13.09.10

Presidenciais 2011 (12).

por Tomás Vasques, em 12.09.10

Manuel Alegre deu, ontem à tarde, o tiro de partida para a campanha eleitoral, com um discurso (a avaliar pela versão difundida pela Lusa) politicamente pobre, a reboque da conjuntura, do imediato, do primário. Sem chama, nem desígnio. No fundo, a ideia de combate, resume-se no seguinte: 1) Cavaco Silva «não está isento de responsabilidades» relativamente à crise em que José Sócrates e o PS mergulharam o país; 2) Manuel Alegre defende o «Estado Social» e vetará todos os diplomas do Parlamento que visem «acabar» (expressão tão vaga) com os serviços públicos na Saúde, na Educação e na Segurança Social. O resto do discurso pertence ao domínio do vazio, da abstracção, tal como este exemplo, um amontoado de palavras que nada diz: «Os portugueses esperam que o Presidente fale com clareza nos momentos difíceis, que não se esconda por detrás de formalismos, ambiguidades e silêncios geradores de equívocos. A clareza e a frontalidade são um factor de estabilidade para a democracia». É pouco, muito pouco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:01

As autocríticas de Fidel Castro.

por Tomás Vasques, em 09.09.10

Fidel Castro, depois de quatro anos de reflexão, por motivo de doença, entrou na fase de «autocrítica». Há dias assumiu a responsabilidade da feroz repressão, das permanentes perseguições e prisões a que o castrismo submeteu, desde o final dos anos 60, os homossexuais cubanos. Agora, concluiu o ditador das Caraíbas que «o modelo cubano não serve nem para nós». Não serve para os cubanos, nem a «apropriação dos meios de produção pelo Estado» serviu em parte alguma, nem na URSS, nem na Europa de Leste, nem na China. Continua a servir apenas na cabeça dos dirigentes comunistas e da extrema-esquerda portuguesa que, ainda hoje, nos acenam com a intervenção do Estado na economia como solução milagreira para os nossos males. Em Cuba, os manos Castro, depois de cinquenta anos de desastre de «economia de Estado», andam a tentar privatizar fábricas e a estimular a actividade económica privada como solução para saírem da miséria; aqui ainda nos propõem como solução a «nacionalização dos sectores estratégicos da economia». Não aprenderam nada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:32

Presidenciais 2011 (11).

por Tomás Vasques, em 07.09.10

Os genuínos apoiantes da candidatura presidencial de Manuel Alegre, aqueles que, depois das últimas presidenciais, se aconchegaram em redor do MIC, e que alimentaram o sonho de criarem um novo partido, um novo PRD, saído de dentro do PS, começam a dar sinais de desnorte. Como não querem atirar para cima do candidato as responsabilidades das dificuldades, atiram para cima dos socialistas a despesa do fracasso eleitoral que se advinha. Ora dizem que as dificuldades provêm do facto do poeta-candidato estar colado ao «partido do poder e cujo Governo e primeiro-ministro está profundamente desgastado.»; ora avançam com a «falta de empenho de dirigentes e militantes socialistas à candidatura» de Manuel Alegre. Perante as circunstâncias pouco animadoras, ensaiam uma fuga para a frente: «os ingredientes para o sucesso da actual candidatura de Manuel Alegre não podem assentar nos apoios partidários», mas sim nos «movimentos espontâneos e organizados de cidadãos não inspirados partidariamente», como se pode ler num comunicado do tal MIC. Este «novo» rumo – uma candidatura «independente» – é o reconhecimento das más opções estratégicas do candidato, tanto quando impôs a sua candidatura ao PS, como quando escolheu o BE para principal apoio partidário. Cavaco Silva, desta vez, pode dormir descanso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:53

Livros.

por Tomás Vasques, em 05.09.10

 

 

José Sócrates e Passos Coelho trocaram recados sobre a aprovação do Orçamento de Estado, um em Matosinhos, outro em Castelo de Vide, como quem joga xadrez por correspondência. Acredito que nesta partida não vai haver xeque-mate, mas até ao lavar dos cestos é vindima. Cavaco Silva também é da mesma opinião e disse, hoje, em Sernancelhe, que «não lhe passa pela cabeça» que não se chegue a acordo para a aprovação do Orçamento. E o senhor Presidente tem, certamente, informações que não estão ao alcance de todos. Enquanto a coisa não se compõe, vou para a cozinha praticar as «Receitas Caseiras para Mulheres Infiéis» e as «Receitas Afrodisíacas para Amantes Imorais» (Edições Ramiro Leão). Quanto ao primeiro, Regina Louro, autora do texto introdutório escreve que «O fundamental é o tempero»; quanto ao segundo, Ana Paula Dias escreve «trocamos os destroços e destrocamos de ossos». A gastronomia tem segredos que a política desconhece. E por aqui me fico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:21

Citações.

por Tomás Vasques, em 05.09.10

 

 

Vasco Pulido Valente, Uma biografia de Salazar, Público, 05.09.10, excertos:

 

Saiu finalmente uma biografia de Salazar (a de Franco Nogueira era almanaque hagiográfico sem sentido ou valor). A biografia é de Filipe Ribeiro de Menezes, doutorado em Dublin e professor de uma universidade irlandesa. (…) vale a pena ler esta longa e minuciosa história do homem que governou, sem sombra nem rival, gerações sobre gerações de portugueses e conseguiu criar uma cultura política que hoje ainda pesa - e pesa muito - na democracia que temos.

Para quem viveu sob Salazar – e já deve haver pouca gente –, o que falta nesta biografia é, naturalmente, a atmosfera do regime. Porque não existia uma ditadura, existiam milhares. Cada um de nós sofria sob o seu tirano, ou colecção de tiranos, na maior impotência. A família, a escola, a universidade, o trabalho produziam automaticamente os seus pequenos "salazares", que, como o outro, exerciam um autoridade arbitrária e definitiva que ninguém se atrevia a questionar. A deferência – se não o respeito – por quem mandava era universal; e essa educação na humildade (e muitas vezes no vexame) fazia um povo obediente, curvado, obsequioso, que se continua a ver por aí na sua vidinha, aplaudindo e louvando os poderes do dia e sempre partidário da "mão forte" que "mete a canalha na ordem".



Só num ponto, essencial, Salazar perdeu. Queria um país resignado à pobreza cristã e Portugal, se continua pobre, não se resigna agora à pobreza com facilidade e abandonou a Igreja. (…) E o mundo moderno desorganizou o Portugal manso e miserável que ele com tanta devoção construíra. O preço que pagámos pela ditadura desse provinciano mesquinho é incalculável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:10

Fidelidades.

por Tomás Vasques, em 04.09.10

Mantenho-me, por convicção democrática e por formação, intransigentemente fiel ao princípio da presunção de inocência até ao trânsito em julgado de sentença condenatória. Em qualquer caso e com quaisquer arguidos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:31

A frase.

por Tomás Vasques, em 04.09.10

 

 

«Acho que o primeiro-ministro Cavaco Silva só foi tão bom porque tinha Mário Soares como Presidente

 

Paulo Rangel, eurodeputado do PSD, em entrevista ao i, 04.09.10.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:06

Agosto, o mês da preguiça.

por Tomás Vasques, em 01.09.10

 

 

Chegou ao fim o mês da preguiça – Agosto, o mês zero em qualquer calendário que se preze. Começa, agora, um novo ano. O horizonte próximo trás, na agenda política, para além da má vida a que os portugueses estão habituados, a discussão do Orçamento de Estado e a eleição do Presidente da República. Nem uma, nem outra vai alterar o que quer que seja, e muito menos sacudir o marasmo em que PS e PSD, aos poucos, enclausuraram o regime. O PSD, depois de tantos anos na oposição, ainda anda, no escuro, às apalpadelas, a tactear o caminho para chegar ao poder. Tanto pede, em Quarteira, que o governo se demita até 9 de Setembro, como lembra, em Castelo de Vide, que o governo tem ainda três anos para governar; tanto ameaça com o voto contra Orçamento, como admite a sua viabilização; tanto apresenta uma proposta de revisão constitucional milagreira, como a recolhe à mansidão dos medos e dos equívocos. Quanto a Cavaco Silva, uma vez reeleito, vai pacientemente continuar a boiar como até aqui: vai aguardar pelo «comportamento dos indicadores económicos» e pelo «sentir dos portugueses» medido em sondagens, o que significa que só se decidirá pela dissolução do Parlamento em caso de uma derrocada pouco previsível. Para quem desespera com a governação socialista, e a queria afastar antes do prazo de validade, os ventos não parecem estar de feição nos próximos tempos. E avolumam-se os indícios de que Passos Coelho pode ser posto em causa internamente antes das próximas eleições legislativas. Somos um povo sereno, de brandos costumes. Acreditamos que há sempre um milagre a meio do caminho, antes da desgraça. Até cultivamos o caminhar de joelhos em direcção ao sítio dos milagres. Se não nos tirarem o 13º mês estamos certos que a «coisa se resolve», o que não deixa de ser verdade. E, a partir de Fevereiro, esperamos que chegue o próximo mês de Agosto – o mês da preguiça.

 

(Publicado no Aparelho de Estado)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:25

Pág. 2/2




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker