Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



|||Citações.

por Tomás Vasques, em 30.03.09

«A Inquisição foi extinta a 31 de Março de 1821, há quase duzentos anos. Mas deixou trabalho para outros duzentos. Durante a sua existência, o país dividiu-se em acusados, acusadores e denunciantes, a maior parte deles anónimos. Se há categoria de gente reles é essa – a que vive feliz com a pequena denúncia, o rumor, a suspeita permanente, a ‘teoria da conspiração’, a insídia moral, o riso escarninho.

Junto com essa categoria há a outra, a dos que se ajoelham e se especializaram em justificações para agradar aos poderes – aos grandes e aos pequenos, aos gerais e aos particulares. Passados estes anos, a Inquisição ainda resiste. Só faltam as fogueiras. O povo gosta de ver. Os juízes, o melhor que têm a fazer, é exigir que se legalize a denúncia anónima. Aliás, já o fizeram»

Francisco José Viegas, Correio da Manhã, 30.03.09

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:43

||| Treinador de Sofá.

por Tomás Vasques, em 28.03.09

 

 

O que nos falta – a nós, portugueses – é eficácia. Capacidade de concretização. Pragmatismo. Temos muito jogo, muita conversa, muito floreado; muita parra, mas pouca uva. Isto é verdade no futebol, na política, nas empresas. Não é por acaso que a Suécia está, há muitos anos, nos cinco países com maior índice de produtividade do mundo.  Não é um «problema» de Carlos Queirós, é um problema dos portugueses: conversa, conversa, conversa… concretizar, fazer é uma ofensa.

 

(foto: Miguel Vidal/Reuters)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

||| Salvar o planeta a ver o Portugal-Suécia.

por Tomás Vasques, em 28.03.09

Desliguei todas as luzes da casa. Acendi velas e liguei a televisão para ver o Portugal-Suécia (conclui, depois de alguma hesitação, que a televisão não é uma lâmpada). Ver o jogo à luz de velas deixa-me na dúvida: não sei se é romantismo ou se é velório.

 

 

(Adenda: Ao intervalo fui à casa de banho. Não me levem a mal, mas acendi a luz com medo de não acertar na sanita.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:49

||| Ler os outros.

por Tomás Vasques, em 28.03.09

 

 

A cineasta Raquel Freire concede hoje, ao semanário Sol, a mais hilariante entrevista que tenho lido na imprensa portuguesa de há muitos dias para cá. (…) o entrevistador, José Fialho Gouveia, pergunta-lhe: "O comunismo combate a ejaculação precoce?" Raquel não se atrapalha: admite logo que sim. "Provavelmente, mesmo que os homens ejaculassem depressa eram obrigados a continuar a relação e a dar prazer às mulheres."

 

 

Pedro Correia (Delito de Opinião).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:38

||| Gregos e troianos.

por Tomás Vasques, em 28.03.09

 

 

Leio, no Correio da Manhã, Francisco José Viegas que me diz: «Ontem, a CP encerrou as linhas do Corgo e do Tâmega sem avisar ninguém. Contava com o silêncio de todos e fê-lo pela calada, desprezando toda a gente.» E eu concordo. Depois, leio, na revista Sábado, Maria João Avillez, em Desvarios megalómanos, que me diz: «Para viabilizar duas linhas de ferro no Douro, usadas apenas por 200 pessoas por dia, o Estado vai gastar 40 milhões de euros. Uma vergonha!» E volto a concordar. Vou escrever uma carta ao Ministro a pedir-lhe que reabra as duas linhas de comboio do Douro sem gastar um tostão. Talvez ele me atenda. Com boa vontade tudo se resolve. E livra-se da vergonha que a Maria João Avillez lhe quer atirar para cima.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:54

||| Televisão, o ópio do povo.

por Tomás Vasques, em 28.03.09

 

Já escrevi, aqui, muitas vezes, que me recuso a ver televisão, como quem prescinde de usar telemóvel. Em rigor, abro excepções: jogos de futebol ou, quanto a «informação», quando caem torres em Nova Iorque ou coisas similares. No entanto, leio. E pelo que leio, percebo que a voz de Manuela Moura Guedes é, hoje, equivalente à de Manuel Alegre de há quarenta anos; e o telejornal da TVI, às sextas-feiras, é a nova rádio Argel. Manuela Moura Guedes, como Manuel Alegre, cada um a seu modo, e cada um em seu contexto, são preciosos contributos para a democracia, mas como escreveu Truman Capote, na sua obra-prima de «não ficção», A sangue frio: não é preciso ser-se maluco para aqui viver, mas é preferível.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:22

||| A frase.

por Tomás Vasques, em 27.03.09

Uma cidade existe porque há coisas que tiram a vista a outras, se não, não havia cidade.

 

Siza Vieira, arquitecto.

 

(via frenchkissin)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:57

|||Ler os outros.

por Tomás Vasques, em 26.03.09

Já pude apreciar, numa escola primária, a excitação da criançada com a chegada dos computadores Magalhães. Ontem foi a vez da Assembleia da República ter o seu momento Magalhães. Foi comovedor o entusiasmo infantil com que os deputados receberam os seus novos confortos e brinquedos tecnológicos. Falaram de Ítaca, lembraram a quinta do avô, e até se enganaram no nome do arquitecto que lhes fez a casa. É assim: dêem-lhes um computador novo e até os mais sábios e prudentes voltam a ser crianças.

 

 

Rui Ramos (Clube das Repúblicas Mortas).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:40

|||Meter a cabeça debaixo da areia.

por Tomás Vasques, em 26.03.09

 

 

Paulo Rangel, líder parlamentar do PSD, vai iniciar, amanhã, conversações com os partidos da oposição. Objectivo: encontrar uma solução conjunta para resolver o impasse do Provedor de Justiça. Sabendo que todos os partidos da oposição juntos não atingem os dois terços do Parlamento exigidos para a eleição do Provedor, o que significam estas conversações? Mais uma fuga para a frente ou, apenas, meter a cabeça debaixo da areia?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00

||| Sondagens e foguetes.

por Tomás Vasques, em 26.03.09

 

 

 

A Visão publicou uma sondagem com respostas à pergunta: acha que esta área seria melhor gerida pelo Estado ou pelo sector privado? (As áreas questionadas são aquelas que tradicionalmente são geridas pelo Estado). A imagem acima ilustra os resultados. De imediato, alguns saudosistas da «economia planificada» e das «nacionalizações» vieram à praça atirar foguetes. Mas, antes de apanharem as canas, deviam ler a sondagem ao contrário. Talvez se arrepiassem. Quanto ás Câmaras Municipais (um sector do Estado onde nunca houve qualquer experiência de privatização) 1 em cada 3 portugueses (33,1%) ou acha que devem ser geridas pelo sector privado (21%) ou não tem a certeza se devem ser geridas pelo Estado (12,1%). Convenhamos que um número significativo de portugueses gostava de ver as câmaras municipais nas mãos do sector privado. Só como termo de comparação: há mais portugueses a querer as Câmara Municipais nas mãos do sector privado do que portugueses a votarem no PCP e no BE em conjunto. O mesmo se pode dizer para todas as outras áreas, desde a Saúde ao Ensino. Mesmo quanto aos Bancos, menos de metade dos portugueses acham que devem ser geridos pelo Estado. Não me parece que esta sondagem seja animadora para a intervenção do Estado na economia, Se não é animadora nos sectores tradicionalmente nas mãos do Estado, muito menos será nos outros sectores de actividade económica.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:28

|||Ler os outros.

por Tomás Vasques, em 26.03.09

O Benicio del Toro, a propósito do novo filme do Steven Soderbergh, diz que quem usa t-shirts do Che é fixe. O Benicio del Toro é parvo que se farta.

 

Ana de Amsterdam

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:39

||| O grande arquitecto do universo.

por Tomás Vasques, em 25.03.09

 

 

Salazar o maçon, de Costa Pimenta (Bertrand Editora).

 

   

A minha prima Hermenegilda nunca se iniciou na maçonaria, nem lhe passa pela cabeça o que é o Rito Escocês Antigo e Aceite ou a Prática das Ordens de Sabedoria do Rito Francês, porque nunca a convidaram. Ainda hoje, é uma frustração que carrega às costas, como uma cruz. O seu deslumbramento por sociedades secretas, mitos e rituais, Templários e Rosacruz nasceu, em finais dos anos setenta, do esotérico vazio em que se afundou quando trocou de marido e este lhe exigiu que saísse do MRPP. Queria, então, trocar a verdade absoluta do marxismo-leninismo por qualquer coisa que, nos tempos livres, lhe alimentasse a alma e as convicções. Ainda me bateu à porta, nos anos oitenta, convencida que eu podia «encontrar a pessoa certa» que lhe facilitasse a entrada na maçonaria. Na altura, com ar sério para não denunciar o engano (a Maria Helena Carvalho dos Santos que me perdoe), respondi-lhe que não permitiam a iniciação maçónica a quem tivesse frequentado a catequese, feito a primeira comunhão e casado na Igreja. (O que era o caso da Hermenegilda, com a agravante de ter entrada na Igreja da Memória, ali onde o D. José I apanhou um tiro no braço, vestida de branco e transportando, com ar cândido, um ramo de laranjeira, como se de uma virgem se tratasse, quando já dormia com o rapaz há quase dois anos). Fixou-me, com o seu olhar de carneiro mal morto, e esboçou uns ligeiros impropérios contra a Igreja, o Papa e os padres, à laia de justificação, mas não lhe facilitei a conversa. E, agora, no sábado passado, quando eu estava no estádio do Algarve a aguardar a marcação das grandes penalidades, na final daquela taça que não lembra a ninguém, entre o Benfica e o Sporting, a Hermenegilda me telefona, como é seu hábito nestas ocasiões. Hesitei: atendo ou não atendo o telefone. Mas não resisti à curiosidade, e atendi. Sem intróitos,  nem boas-noites, despejou o saco: - «Com que então o Salazar também era da maçonaria». Respirei fundo, enquanto Ramagnoli ajeitava a bola, e perguntei: - «Só descobriste agora?» Respondeu-me de imediato: - «Não te armes em sonso». Tiago defendeu o remate de Aimar, enquanto eu respondia: - «Hermenegilda, pensa: porque é que o Carmona só largou a presidência da República quando morreu? E o Sarmento Rodrigues, ministro do Ultramar; e o Santos Júnior, ministro do Interior, e o Palma Carlos, procurador à Câmara Cooperativa? Achas que Salazar não sabia que todos eles eram pedreiros-livres?». Rochemback imitou Aimar, permitindo a defesa de Quim. Hermenegilda ficou em silêncio uns segundos. Depois, interrogou-me: «Mas tu achas mesmo que Salazar foi maçon?». Pela pergunta, percebi que estava desorientada. Respondi no momento em que Moutinho metia a bola na baliza: - «Claro que sim. Foi maçon, putanheiro e tudo, e só não foi um grande democrata porque os tempos não estavam de feição». Desligou sem uma palavra de despedida. Quase não vi o Quim defender os remates de Derlei e de Postiga. Fiquei meio aparvalhado a tentar perceber porque carga de água até a minha prima Hermenegilda, mulher culta e arejada,  acredita que António de Oliveira Salazar era maçon.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

||| O Estado e as políticas culturais.

por Tomás Vasques, em 25.03.09

 

O texto que Manuel Maria Carrilho enviou ao PS – concretamente, à Fundação Res Publica –, hoje publicado no DN, é um excelente contributo para o debate «sobre as prioridades culturais no actual contexto de crise económica».

No essencial, Carrilho afirma que:

 

1.  A cultura é reconhecida como um factor decisivo no desenvolvimento de qualquer país, como para a afirmação dos povos e para a visão que eles têm do seu futuro. E, sublinha, que a cultura pode dar uma importante contribuição na resposta à crise que o país atravessa;

2. Que o Partido Socialista deu um passo histórico, em 1995, ao assumir o desígnio de fazer da cultura uma dimensão estrutural e estratégica de um mais intenso e equilibrado desenvolvimento do país;

3. Passo a que a Direita não deu sequência, entre 2002-2005, desvalorizando as políticas culturais;

4. Que o Partido Socialista, para a legislatura 2005-2009, prometeu, quer no programa eleitoral, quer no programa de Governo, o regresso à dimensão cultural que é já parte do seu património;

5. O que se verifica ao fim de quatro anos é que não só não se conseguiu inverter a situação de «asfixia financeira» de 2002-2005, como ela se agravou pesadamente. Também as outras «finalidades essenciais» assumidas nos programas eleitorais e de Governo ficaram pelo caminho.

6. Em conclusão: é urgente mudar. O Partido Socialista deve assumir com verdade o balanço do período que agora termina. A próxima legislatura deve ser a de um renascer da esperança para a cultura portuguesa; deve, sobretudo, ser a de uma verdadeira refundação das políticas culturais em Portugal.

 

O texto de Manuel Maria Carrilho, apesar de não conter nada de novo, é um diagnóstico sintético, mas certeiro, do papel do Estado nas políticas culturais nos últimos dez anos. E um apelo à mudança: à refundação das políticas culturais do Estado iniciadas, em 1995, pelo Partido Socialista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:49

|||Ler os outros.

por Tomás Vasques, em 24.03.09

A liberdade da imprensa mede-se pela quantidade de vitupérios que se dizem contra o governo, o PS e Sócrates, em particular, atingindo e levando por arrasto tudo o que se lhe chegue, ainda que de leve. Estranha concepção de democracia.

 

Sofia Loureiro dos Santos (Defender o Quadrado).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:09

||| Cervejas.

por Tomás Vasques, em 24.03.09

 

Apostaram em «mariquices» e vejam o resultado que deu. Quem se deve estar a rir, neste momento, é a sagres e a superbock.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:55

Pág. 1/6




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker