Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



||| 2008:balanço e balança [4].

por Tomás Vasques, em 31.12.08

Divórcios do ano:

Nacional: Francisco Louçã e José Sá Fernandes;

Europeu: Ségolène Royal e Martine Aubry;

Mundial: Madonna e Guy Ritchie.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:29

||| 2008:balanço e balança [3].

por Tomás Vasques, em 31.12.08

Enigmas do ano:

Nacional: As sucessivas votações do PSD, na Assembleia da República, a favor do Estatuto dos Açores;

Europeu: a hecatombe financeira e económica da Islândia;

Mundial: A vitória eleitoral dos rebeldes maoístas no Nepal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:02

||| 2008:balanço e balança [2].

por Tomás Vasques, em 31.12.08

Casamentos do ano:

Nacional: Francisco Louçã e Manuel Alegre, na Aula Magna;

Europeu: Nicolas Sarkosy e Carla Bruni, em Versalhes;

Mundial: Barack Obama e Hilary Clinton, na Casa Branca.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:08

||| 2008:balanço e balança [1].

por Tomás Vasques, em 31.12.08

Fiascos do ano:

Nacional: José Pacheco Pereira;

Europeu: o Tratado de Lisboa;

Mundial: os especialistas em economia que previram o preço de crude a 200 dólares o barril, em Nova Iorque, até ao final de 2008, quando o ano encerra com o preço a 37 dólares.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 14:25

|||Citações.

por Tomás Vasques, em 31.12.08

«Os cálculos do Hamas são simples, cínicos e pérfidos: se morrerem israelitas inocentes, isso é bom; se morrerem palestinianos inocentes, é ainda melhor.»

 

Amos Oz, Público 31.01.08.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:13

||| Viagens.

por Tomás Vasques, em 30.12.08

A Sofia não saiu da Grécia apressada a correr para Israel à procura de fagulhas. Foi só a Londres. Mas folheou o Corão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:43

|||O discurso do Presidente.

por Tomás Vasques, em 30.12.08

Não se esqueçam que, no imaginário profundo da Nação, antigamente, o garante do regime era o primeiro-ministro, então designado presidente do Conselho; desde 1976, o imaginário profunda da Nação, quanto à defesa da Constituição, transladou-se de S. Bento para Belém.

 

PS. Lá saltou o concelho, sem conselho, como anota o José Teles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05

|||Reformas.

por Tomás Vasques, em 29.12.08

A primeira iniciativa legislativa do BE em 2009 é «assegurar a quem tenha trabalhado 40 anos possa reformar-se sem ter qualquer penalização na sua pensão pelo facto de ainda não ter 65 anos de idade». Pela parte que me toca a proposta é interessante: já completei os tais 40 anos de trabalho (e de descontos) ininterruptos – sim, eu não sei fazer mais nada do que trabalhar e viver do que me pagam por isso ao fim de cada mês. A partir daqui era uma festa: com cinquenta e tal anos entrava de férias pagas por 10, 15, 20 anos, eu sei lá. Depois, quem vier atrás que apague a luz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:23

 

Nuno Ramos de Almeida, no seu erudito saber, cita Mike Davis, um historiador «marxista» com muito «interesse», para nos explicar como a «fagulha grega» pode incendiar a pradaria. Mas, com todo o respeito, nem um nem outro têm razão. «A revolução grega» e o «regresso a Marx», ultimamente tão propalados, estão intimamente ligados. Ou seja, não há nenhuma «situação revolucionária» na Grécia (mas tão só desacatos politicamente inconsequentes, os quais não resolvem um único dos problemas que os sustentam, antes pelo contrário – é como meter areia na vaselina); como não há nenhum «regresso a Marx», porque Marx morreu (25 anos depois da 1ª edição do Manifesto do Partido Comunista já Marx o considerava envelhecido, ultrapassado pelos acontecimentos. Então hoje, passados 150 anos, o que ele diria de toda a sua obra e, sobretudo, da sua «aplicação»?) O único marxista que resistiu à morte de Marx foi Engels. O resto tem pouco ou nada a ver com Marx. É leninismo, trotskismo, estalinismo, maoismo, castrismo. É só ver como a defunta URSS se desenvolveu e acabou ou olhar para Cuba, Coreia ou China para perceber que o marxismo morreu com Engels. A ressurreição do passado não é exactamente uma «teoria» marxista (18 de Brumário?). O que se passa hoje, na Grécia, em Portugal ou em qualquer outro país é uma situação típica, mil vezes repetida no último século e meio, em situações como a que vivemos: representantes da classe média – a pequena burguesia –, radicalizados pelas dificuldades que as crises do capitalismo lhes provocam, excitam-se facilmente ao menor sinal de contestação. São impacientes, desorganizados. Têm orgasmos múltiplos. Onde está Marx nestas alucinações? Onde está a revolução? Na Grécia? Ou no Afeganistão: não esquecer que os talibans combatem o imperialismo norte-americano. E quem vai tomar o poder na Grécia? O «proletariado» ou a minha prima Hermenegilda que em tempos foi do MRPP? Uma farsa – diria Marx.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03

||| 2009: tudo é possível.

por Tomás Vasques, em 26.12.08

 

O mundo do século XX já não existe. Primeiro foi o império soviético que se desfez: Gorbachev, o último secretário-geral do Partido Comunista da URSS e presidente do Soviete Supremo, sucessor de Lenine e Estaline, acabou a vender malas Vuitton; depois, o império americano deixou de ser o que era: Bush, o todo-poderoso presidente dos Estados Unidos da América em exercício foi corrido à sapatada de uma conferência de imprensa no Iraque, exactamente no Iraque. O ano de 2008 foi um ano síntese, onde se cruzaram Bernard Madoff – símbolo da pirâmide em que o velho mundo financeiro se deixou atolar – e Barack Obama – símbolo da necessidade de mudar de vida. Em 2009 iremos conhecer melhor a dimensão e as consequências da «crise financeira», como iremos, também, conhecer melhor a dimensão e as consequências das mudanças. Em 2009 tudo é possível.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 10:14

||| Natal. Porque lutam os professores?

por Tomás Vasques, em 26.12.08

 

Nestes dias, vésperas e dias de Natal, percebe-se melhor do que em qualquer outra altura o significado da luta dos professores. Os hospitais estão cheios de médicos, enfermeiros e outros trabalhadores que não podem passar a consoada com os filhos, com os pais, com quem vivem; os hotéis estão cheios de recepcionistas, bagageiros, empregados de mesas; como os hospitais e os hotéis, as estações de serviço; restaurantes, transportes públicos, táxis; e por aí fora. Ganhar acima da média, sair cedo e ser promovido em função do decurso do tempo e não do mérito são privilégios a que os professores se habituaram. É pela manutenção desses privilégios que os professores lutam, se mobilizam, se manifestam. O resto é conversa fiada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:41

||| BOM NATAL.

por Tomás Vasques, em 24.12.08

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:36

||| Os incómodos da memória.

por Tomás Vasques, em 23.12.08

«Em 1987, propus que a esquerda se coligasse para conquistar à direita a Câmara Municipal de Lisboa e, na altura, o líder do PS, o Dr. Vítor Constâncio, e as pessoas que o rodeavam – entre as quais Manuel Alegre – achavam que isso era um crime de lesa majestade, porque não podia haver alianças com o PC, nem com os pequenos grupos de esquerda, que hoje formam o Bloco de esquerda.»

 

João Soares, entrevista à Focus, 23.12.08.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:33

||| Autocrítica.

por Tomás Vasques, em 22.12.08
Hoje voltei a ouvir a voz do senhor Nogueira, na rádio, a propósito da entrega de um 
abaixo-assinado de professores. Aquela voz inconfundível de delegado sindical da 
construção naval dos anos 70 obrigou-me a reconhecer um erro de apreciação. 
Escrevi, aqui, a propósito da última manifestação de professores, que «o PCP cavalga a 
onda de descontentamento dos professores». Não é verdade. Quem cavalga quem só 
se pode medir pelos resultados. Se o PCP não alterar significativamente o resultado 
eleitoral nas eleições do próximo ano, depois desta tenaz luta dos professores, 
significa que a frase ajustada à realidade deve ser «Professores cavalgam onda de 
descontentamento do PCP».
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:51

||| Estou grego por saber novidades.

por Tomás Vasques, em 22.12.08
Estive «fora» dois ou tês dias. Há novidades dos putos que encabeçaram a «revolução
 grega» ou aquilo acabou tudo em águas de bacalhau? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

Pág. 1/4




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker