Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Citações.

por Tomás Vasques, em 31.03.07


Extracto de Hábitos velhos e relhos, de José Pacheco Pereira, Público de 31.03.2007 (Sublinhados meus).

«Dêem-lhes um político severo, austero, sacrificado, falando contra a política e os políticos e esse político será popular entre as mesas de café, as cartas dos reformados ao Correio da Manhã contra os "ladrões", os ouvintes genuínos do Fórum da TSF, e as mil e uma expressões populares da demagogia entre "nós" (os trabalhadores esforçados que nunca meteram uma baixa fraudulenta, nunca beneficiaram duma cunha, nunca quiseram fazer uma marquise, nunca receberam qualquer dinheiro sem pagar factura por aqueles trabalhos na canalização, etc., etc.) e "eles" (os ladrões dos políticos). Não surpreende, por isso, que o espectáculo, qualquer que ele seja, seja o Big Brother ou Os Grandes Portugueses, atice os componentes demagógicos que existem um pouco por todo o lado, como forma dominante da iliteracia em política

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:42

Diálogos absurdos (4).

por Tomás Vasques, em 31.03.07

- Viste o cartaz xenófobo que o PNR colocou no Marquês?
- No Marquês? Não. Vi na capa do DN.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:20

Arte e propaganda.

por Tomás Vasques, em 31.03.07
.






o





O Deutsches Historisches Museum de Berlim, até finais de Abril, mostra a exposição a «Arte e a propaganda” (Ver a 6ª, do DN). Mas não só nas artes plásticas a arte esteve ao serviço da propaganda política, sobretudo nos regimes totalitários. Também na literatura, na poesia, do designe e por aí fora. Também em Portugal durante o Estado Novo. E quem não conhece as história do poeta cubano Herberto Padilla? Hubert Lanzinger e Viktor I. Goworkow são os pintores acima reproduzidos a par do cartaz da exposição, a qual demonstra que a arte tanto serve para "fazer", como para "desfazer" o servilismo da arte à propaganda política.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:05

Cego é aquele que não quer ver.

por Tomás Vasques, em 30.03.07


Mantenho desde há algum tempo uma cordial troca de «galhardetes» com Vítor Dias (O tempo das cerejas). Umas vezes é sobre o papel das manifestações nos regimes democráticos; outras, sobre o significado da "vitória" de Oliveira Salazar num recente concurso de "misses"( sem ofensa...), no qual Álvaro Cunhal foi a primeira dama de honor. Nestas conversas, naturalmente, vem sempre à baila aquilo que é decisivamente importante: democracia versus ditadura. E, como não podia deixar de ser, foge-me sempre a argumentação para a natureza do regime da ex-União Soviética, o qual Vítor Dias sempre defendeu com unhas e dentes. Desta vez, o meu interlocutor (para além de me atribuir um defeito que, sinceramente, julgo não ter: espírito superior), garantiu-me que: «se por acaso ele (Tomás Vasques) fosse do PS, a mim jamais me passaria pela cabeça responsabilizá-lo a ele ou ao PS português pelos crimes das guerras coloniais da Argélia e da Indochina onde o PS francês tanto sujou as mãos de sangue.» Meu caro Vítor: primeiro, eu sou militante do PS; segundo (e aqui reside toda a diferença): ninguém me pode responsabilizar por crimes cometidos por partidos socialistas de outros países porque eu condeno em tempo oportuno tais crimes, da mesma forma que crítico actuações erradas (na minha perpectiva) do PS português, quer enquanto governo, quer enquanto oposição. Ora, quem defendeu a URSS como o «sol da terra» não pode agora sacudir a água do capote; não se pode deixar de assacar responsabilidades por tal defesa. É, sublinho, aqui que reside a diferença que me parece tão elementar com a respiração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12

Citações.

por Tomás Vasques, em 30.03.07

Extracto de As botas de Salazar, de Jorge Almeida Fernandes, Público, 30.03.2007.


«O episódio da "vitória" de Salazar no concurso da RTP confronta a esquerda com a sua histórica dificuldade em pensar o salazarismo. (...) Falo da esquerda e daquela tradição, de matriz comunista ou republicana, que nos "treinou" a pensar o salazarismo não só como regime liberticida mas também, e talvez sobretudo, como autor de todas as pragas históricas e sociais - atraso, pobreza, analfabetismo -, por definição incapaz de mudança e produtor de um país fechado, rural, antimoderno. O retrato político de Salazar oscila entre a hagiografia dos fiéis e os estereótipos da oposição, a quem nunca interessou conhecer o inimigo - era tranquilizador vê-lo como medíocre -, o que lhe custou caro. (...) Uma anedota ilustra a dificuldade de pensar a relação entre regime e mudança. Num manifesto de Janeiro de 1959, "Aos Portugueses", que até era inovador em alguns aspectos, a oposição do Norte, de republicanos a filocomunistas, pedia desenvolvimento mas denunciava o II Plano de Fomento e "excentricidades como a da Ponte sobre o Tejo", exigindo a suspensão das "obras de fachada".Ao longo dos anos 1960, esta representação entra em crise. Portugal conheceu nessa época as maiores taxas de crescimento da sua História. Nascia uma nova classe operária e cresciam os serviços, irrompiam novos temas e formas de luta. Os costumes mudavam aceleradamente. O país rural esvaziava-se. (...)Nos anos 1930, Salazar manipulou e ampliou o papel de um PC débil e quase inerte. O PC servia-se desta propaganda gratuita para mascarar a sua impotência. Salazar escolheu o "papão" comunista não pelo seu potencial de ameaça interna, que era nulo, mas em nome do anticomunismo e do inimigo soviético, que eram reais e pagavam dividendos políticos. Quase até ao fim, o regime tentou apresentar toda a oposição como manipulada pelo PCP. Hoje, é o PCP que devolve o favor, restaurando "objectivamente" a figura de Salazar. A demonização redunda em propaganda do objecto diabolizado

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

Até amanhã.

por Tomás Vasques, em 30.03.07
(VALERY KOSORUKOV , Oil on Canvas, 24" x 30")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00

25 cêntimos.

por Tomás Vasques, em 29.03.07



- ¿Qué apostamos a que no lo sabe?
- Lo que quieras ... ¿Cómo no va a saber Zapatero cuánto cuesta un café? ¿Crees acaso que vive en las nubes?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:31

Diálogos absurdos (3).

por Tomás Vasques, em 29.03.07
- Sabes que o Salazar ganhou um prémio?
- Quem? O Abel?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Portugal, um retrato social.

por Tomás Vasques, em 28.03.07

Passou ontem à noite, depois do telejornal, na RTP, o primeiro de sete documentários que constituem Portugal, um retrato social, um estudo de António Barreto, realizado por Joana Pontes. As conclusões advinham-se à primeira: os portugueses vivem hoje, em todos os domínios, muito melhor do que há trinta, quarenta ou cinquenta. E têm consciência dessa realidade. Ainda há trinta e poucos anos uma mulher contou que foi transportada de carroça na altura do parto. Estava a duas horas da assistência mais próxima. A criança nasceu no caminho e morreu antes de chegar ao destino. Um taxista, à conversa com António Barreto, resume a evolução (cito de memória): «Quando saía com o meu pai ia descalço. Os meus filhos são licenciados. Os meus netos calçam Nike e andam sempre de iPod pendurado nas orelhas» Não há «neo-salazarismo», nem »neo-realismo» que resistam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:47

Palermices.

por Tomás Vasques, em 28.03.07

.











Meu caro Vítor Dias: na rectificação de hoje ao seu post sobre conquilhas estragadas toca exactamente no ponto nevrálgico. Cito: “num quadro em que desde principio não se falava de outra coisa do que da possibilidade de Salazar ganhar, se porventura se verificou uma mobilização espontânea (política e sociologicamente compreensível) de uma parte dos militantes e simpatizantes comunistas para votar em Álvaro Cunhal, isso – longe de representar qualquer forma de «fanatismo» – só abona a favor da sua consciência e postura combativamente antifascista.» É exactamente aqui que, do meu ponto de vista (apalermado, obviamente), a porca torce o rabo. Uma mobilização espontânea dos militantes e simpatizantes comunistas para votar Álvaro Cunhal abona a favor da sua consciência anti-fascista? Na merda de um programa daqueles? (que palco que os comunistas escolhem para a luta!) Votar? (votar? – repito. Que noção de votação e de democracia! Que palhaçada encarar aquela treta como votação!) Consciência anti-fascista? (aumentar as audiências de um reality shows medíocre já passou à categoria de luta anti-fascista!). Noutros tempos recusava-se a participação nas farsas eleitorais montadas pelo regime do “botas” e agora mobilizam-se as “consciências anti-fascistas” para esta cagada? Haja decoro!
PS1: Muita boa gente, e perdoem-me a acidez, ensandeceu com esta história do Salazar da Maria Elisa. Até já se fala em “neo-salazarismo” como referência de uma direita desnorteada. Tretas. Vinte mil basbaques fazem dez telefonemas cada um e está a coisa montada. Até já falam no “povo” revoltado. Que idiotice! Não tenho dúvidas de que, nesta palhaçada, igual à Quinta das Celebridades, os «anti-fascistas» que se «mobilizaram» e, aprisionados a uma cultura política com teias de aranhas, tomaram a sério este programa, como se de uma «luta política» se tratasse, deram um brinde ao ditador de Santa Comba Dão.
PS2: Caro Vítor Dias: eu por ser um homem livre e que penso pela minha cabeça (a minha obediência é a minha consciência) posso ganhar o prémio «Os Grandes Palermas da Blogosfera Portuguesa». E que prémio atribuir a quem considera que na URSS existiu a «democracia mais avançada do mundo»? Prefiro ser «palerma» do que cúmplice de assassinatos políticos (processos de Moscovo) e das ditaduras e dos ditadores que o comunismo produziu. Durmo de consciência anti-fascista tranquila!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Moínhos de vento.

por Tomás Vasques, em 27.03.07
No rescaldo da «negra noite salazarista», no último Domingo, uma das frases mais apologéticas do papel de Oliveira Salazar na nossa história recente veio inesperadamente da esquerda pela boca de Vítor Ramalho. Atente-se: «Isto não é apenas um concurso nem deve ser desdramatizado. Pelo contrário, é um grito de protesto, de revolta. O povo português sente que a nossa grandeza de alma se tornou pequenina. Não temos conseguido forjar um projecto galvanizador de afirmação externa de Portugal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:51

Cerejas e conquilhas dão azia?*

por Tomás Vasques, em 27.03.07
Já alguma vez vos tocaram numa ferida? Obviamente, reagem assim!

(* Naturalmente, aqui trata-se de ideias. Nada tenho contra Vítor Dias. Senão, diria que chapéus há muitos).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:36

Dar novos mundos ao mundo.

por Tomás Vasques, em 27.03.07

Depois da capa do Público (com a mesma fotografia de El Mundo) fiquei a saber que, depois de Figo, Cristiano Ronaldo, Durão Barroso e os rapazes do Rugby que defrontaram os uruguaios no campo e numa discoteca, temos agora Michelle de Brito, a nova Sharapova. Não é coisa pouca para um país de fado e vil tristeza. Que Deus nos conserve para dar «novos mundos ao mundo». Não há Salazar que nos mantenha «orgulhosamente sós»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:31

Informação.

por Tomás Vasques, em 26.03.07

X Jornadas de Comunicação Social na Universidade do Minho, dias 27 e 28 de Março.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32

Diálogos absurdos (2).

por Tomás Vasques, em 26.03.07
- És defensor da Ota?
- Não. Não sou otário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

Pág. 1/7




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker