Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Chamar os bois pelos nomes.

por Tomás Vasques, em 17.02.10

 

Os Pides morrem na rua. Há muitos anos que não me lembrava desta frase-palavra de ordem saída da boca da maralha que ocupou o centro de Lisboa, do Rossio ao Chiado, do Martim Moniz ao Terreiro do Paço, a partir da manhã de 25 de Abril de 1974. Na boca de um povo pacífico, que ornamentou os canos das espingardas com cravos, a frase a pedir o linchamento dos «pides» significava, sobretudo, a profunda e sentida aversão à polícia política do regime deposto e aos seus «métodos de actuação». Estava ainda, por esses dias, fresca a memória dos tempos da Direita autoritária, fascista; os tempos de repressão e de prisões por delito de opinião, de torturas e assassinatos; os tempos da polícia política – a PIDE. Esta, entre outros métodos, procurava infiltrar agentes seus (ou bufos), disfarçados de «oposicionistas», no interior de organizações anti-fascistas. Era um dos modos de conhecer o que aí se fazia, o que aí se dizia, e os documentos políticos que por aí circulavam. Quando obtinham a informação, iam entregá-la à rua António Maria Cardoso, e desapareciam. Ficavam de novo disponíveis para dar vivas a Salazar. Esta era gente execrável. Energúmenos sem migalha de carácter. Vómitos produzidos por uma sub-cultura política. Hoje, estão a ser recuperados muitos destes métodos antigos mercê do aparecimento de muitos destes energúmenos que encontram albergue em jornais e nalguns círculos de uma Direita revanchista, caceteira. Podia dizer que me lembrei da frase os Pides morrem na rua a propósito de uma peça no Correio da Manhã, de hoje, que envolve o Simplex, blogue em que colaborei. Mas não foi só por isso.

 

 

 

 

Adenda: sobre o mesmo assunto:

Escândalo: o governo faz política, por Pedro Adão e Silva, no Léxico Familiar.

 A Central, por Eduardo Pitta, no Da Literatura.

A ética do bufo, por Rogério da Costa Pereira, no Jugular.

Do 37º e 38º, por André Couto, no Delito de Opinião.

 Os ratos, por Tiago Barbosa Ribeiro, no Metapolítica.

Dos métodos totalitários de propaganda, por Sofia Loureiro dos Santos, no Defender o Quadrado.

A espuma dos dias, por Vasco M. Barreto, no Aparelho de Estado.

Da ética, por Luís Novaes Tito, no A barbearia do senhor Luís

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:28




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

SOBRE LIVROS E OUTRAS ARTES

CONSULTA

LEITURA RECOMENDADA.



Contador

eXTReMe Tracker